quinta-feira, dezembro 31, 2009

Feliz 2010

Vitória de Samotracia, Louvre, maio de 2009

Aproveito as preciosas indicações do meu amigo, astrólogo, mestre em Historia Social, Rui Sá Silva Barros, aqui, que sempre faz análises astrológicas pontuadas por elementos politicos e econômicos.

No cenário do novo ano, nada muito animador, mas, diz o Rui

" no meio deste tumulto devemos trabalhar, amar e viver. Tempo para leituras e práticas:

- Bagavad gîta, com especial ênfase na questão da ação sem identificação.

- Tao te king e outros textos taoístas centrados na questão do não-agir.

- As parábolas dos Evangelhos, em especial a do vinhateiro e os trabalhadores da undécima hora.

- Os Salmos de ascensão (120 a 135).

- A linguagem dos pássaros de Attar.

Leituras e práticas em grupo potencializam a eficácia. Música religiosa genuína, de qualquer tradição, acalma e ajuda na concentração. Tente não se irritar com a tolice, a ignorância e a inércia ao seu redor. Elas são o resultado da interação de dezenas de forças, fora de nosso controle. O coletivo não pode escapar disto, mas indivíduos e pequenos grupos, sim. O mundo humano reverbera sentimentalismo e moralismo, falta doutrina espiritual sólida que está disponível em textos extraordinários, pouco lidos e pior compreendidos".



quarta-feira, dezembro 30, 2009

domingo, dezembro 27, 2009

Na varanda, com Canô

<




Tantas vezes eu soltei fogueteImaginando que você já vinhaFicava cá no meu canto caladaOuvindo a barulheiraQue a saudade tinhaÉ como diz João Cabral de Mello NetoUm galo sozinho não tece uma manhãSenti na pele a mão do teu afetoQuando escutei o canto de acauãA brisa veio feito cana moleDoce, me roubou um beijoFlor de querer bemTanta lembrança este carinho trouxeUm beijo vale pelo que contém
Tantas vezes eu soltei fogueteImaginando que você já vinhaFicava cá no meu canto caladaOuvindo a barulheiraQue a saudade tinhaTirei a renda da nafitalinaForrei cama, cobri mesaE fiz uma cortinaVarri a casa com vassoura finaArmei a rede na varandaEnfeitada com boninaVocê chegou no amiudar do diaEu nunca mais senti tanta alegriaSe eu soubesse soltava fogueteAcendia uma fogueiraE enchia o céu de balãoNosso amor é tão bonito, tão sinceroFeito festa de São João

sábado, dezembro 26, 2009

Prelúdios intensos para os desmemoriados do amor

De Hilda Hilst
(fragmento)

II
Tateio. A fronte. O braço. O ombro.
O fundo sortilégio da omoplata.
Matéria-menina a tua fronte e eu
Madurez, ausência nos teus claros
Guardados.
Ai, ai de mim. Enquanto caminhas
Em lúcida altivez, eu já sou o passado
.Esta fronte que é minha, prodigiosa
De núpcias e caminho
É tão diversa da tua fronte descuidada.
Tateio. E a um só tempo vivo
E vou morrendo.
Entre terra e água
Meu existir anfíbio.
Passeia
Sobre mim, amor, e colhe o que me resta:
Noturno girassol. Rama secreta.

Filhos adotivos de dona de jornal argentino podem ser de “desaparecidos”

De Página 12


Cámara Federal de San Martín ordena que juiz realize imediatamente os exames de DNA dos filhos adotivos de Noble.

Por Diego Martínez
La Cámara Federal de San Martín le ordenó al juez federal Conrado Bergesio realizar “en forma inmediata y sin más dilaciones” los exámenes de ADN de los hijos adoptivos de Ernestina Herrera de Noble, dueña del Grupo Clarín, y “someter (las muestras genéticas) a los cotejos necesarios” para conocer su identidad. Los jueces Hugo Gurruchaga y Alberto Criscuolo destacaron que Bergesio “se enreda en discusiones inconducentes”, pero a siete años de haber heredado la causa “no realiza la medida básica, esencial e impostergable” de cruzar los ADN de Marcela y Felipe Noble con las 22 familias que buscan chicos desaparecidos antes de sus adopciones. “La resolución nos permite recuperar la expectativa de que la causa se resuelva y también creer que efectivamente existe el principio de igualdad ante la ley”, consideró Alan Iud, abogado de Abuelas de Plaza de Mayo, que pidió la medida hace un año y medio. “Es una decisión muy clara y justa”, celebró Estela de Carlotto, presidenta del organismo.Según el expediente de adopción, el 13 de mayo de 1976 la viuda de Roberto Noble se presentó ante la jueza Ofelia Hejt, de San Isidro, con una beba a la que llamó Marcela. Dijo que la había encontrado once días antes en una caja abandonada en la puerta de su casa, en Lomas de San Isidro, y ofreció como testigos a una vecina y al cuidador de la casa de la vecina. En 2001 Roberto Antonio García, de 85 años, declaró ante el juez Roberto Marquevich que nunca fue cuidador de esa casa. Su trabajo durante cuarenta años fue como chofer de Noble y, tras su muerte en 1969, de la viuda. García agregó que Noble nunca vivió en la casa que declaró, dato que el juez confirmó en registros oficiales. Tampoco la presunta vecina vivía allí, según declaró su nieta y corroboró la policía.El expediente de adopción de Felipe sostiene que la supuesta madre, Carmen Luisa Delta, lo puso a disposición de la jueza Hejt el 7 de julio de 1976. El mismo día, sin disponer un estudio ambiental ni determinar las circunstancias del nacimiento, la magistrada concedió la segunda guarda a la viuda de Noble. Marquevich determinó que la señora Delta nunca existió. Según el escrito presentado por Abuelas en julio de 2008, el dato falso sobre el domicilio en San Isidro y la omisión del sistema de turnos fueron “decisivos para determinar la competencia del tribunal”. Hejt, ya fallecida, es la misma jueza que en abril de 1977, sin disponer medidas para ubicar a su familia y pese a las evidencias de que sus padres habían sido secuestrados por el Ejército, entregó en guarda a Andrés La Blunda, de tres meses, quien recuperó su identidad en 1984.Las irregularidades en las adopciones derivaron en 2001 en la detención de la viuda de Noble, que el juez Marquevich pagó con su destitución en un juicio político impulsado por Clarín. Su reemplazante Bergesio concedió desde entonces todas las medidas solicitadas por los abogados de la imputada pero rechazó ordenar la obtención de muestras por métodos alternativos a la extracción de sangre solicitada por Abuelas y por la fiscal Rita Molina. El método ya permitió la identificación de nueve hijos de desaparecidos y fue respaldado por los tres poderes del Estado.“Se advierte que el señor juez se enreda en discusiones inconducentes a la par que no realiza la medida básica, esencial e impostergable de ejecutar la toma de muestras del ADN de las personas cuya identidad se cuestiona para someterlas a los cotejos necesarios”, consideró la Cámara. “Tal omisión resulta a esta altura manifiestamente injustificada, en particular cuando se advierte que el trámite de la causa lleva más de siete años”, agregó, y resolvió disponer “que el señor juez lleve a cabo la toma de muestras de ADN en forma inmediata y sin más dilaciones”.Por la jurisprudencia de la Corte y la ley que asentó en el Código Procesal Penal el mecanismo de obtención de ADN con métodos no invasivos, el abogado Alan Iud destacó que la medida “debe realizarse de inmediato”, al margen de los recursos que pueda plantear la defensa. Carlotto recomendó “tomar los recaudos para que el rescate de prendas y objetos sea de las personas a analizar” y no de choferes o sirvientes de vecinos.

quinta-feira, dezembro 24, 2009

Feliz Natal

Sagrada Familia de Gaudí, maio de 2009

Para os amigos que me acompanham, desta e de tantas outras terras, um poema do andaluz Lorca traduzido pelo galego Pepe Velo, outro poeta de Babel.

Nacimiento de Cristo
Federico García Lorca (1898 - 1936)

Un pastor pide teta por la nieve que ondula
blancos perros tendidos entre linternas sordas.
El Cristito de barro se ha partido los dedos
en los tilos eternos de la madera rota.
¡Ya vienen las hormigas y los pies ateridos!
Dos hilillos de sangre quiebran el cielo duro.
Los vientres del demonio resuenan por los valles
golpes y resonancias de carne de molusco.
Lobos y sapos cantan en las hogueras verdes
coronadas por vivos hormigueros del alba.
La luna tiene un sueño de grandes abanicos
y el toro sueña un toro de agujeros y de agua.
El niño llora y mira con un tres en la frente,
San José ve en el heno tres espinas de bronce.
Los pañales exhalan un rumor de desierto
con cítaras sin cuerdas y degolladas voces.

La nieve de Manhattan empuja los anuncios
y lleva gracia pura por las falsas ojivas.
Sacerdotes idiotas y querubes de pluma
van detrás de Lutero por las altas esquinas.

Do livro Poeta em Nueva York


Tradução de Xose Velo Mosquera, 1969


Um pastor pede teto pela neve que ondula
Cães brancos deitados entre lanternas surdas
O crucifixo de barro quebrou os seus dedinhos
Nas arestas eternas da madeira rompida
Já vêm as formigas e os pés enregelados
Dois fiozinhos de sangue quebram o céu duro
Os ventres dos demônios ressoam pelos vales
Golpes e ressonâncias de carne de molusco
lobos e sapos cantam entre as fogueiras verdes
Coroadas por vivos formigueiros de alba
A lua tem um sonho de grandes abanicos
E o touro sonha um touro de buracos e água
A criancinha chora, olha com um três na frente
São José vê no feno três espinhas de bronze
As fraldinhas rescendem um rumor de deserto
Com cítaras sem cordas e vozes degoladas
A neve de Manhattan empurrando os anúncios
Leva graça puríssima pelas falsas ojivas

Sacerdotes idiotas e querubins de pluma
Vão detrás de Lutero pelas falsas esquinas

quarta-feira, dezembro 23, 2009

segunda-feira, dezembro 21, 2009

Um dia no mercado de Valencia

Os 30 anos do Lira Paulistana

object height="344" width="425">

Para quem se lembra e pra quem nem sabia que existiu. Na Praça Benedito Calixto, Pinehiros, nos anos 80 existiu o Lira Paulistana, que lançou Itamar Assumção, Arrigo Barnabé, Os Spindolas, Suzana Sales, Premeditando o Breque, Lingua de Trapo, uma imensidão de talentos.Vanguarda paulistana.
Os 30 anos foram comemorados com vários shows no Sesc Consolação e um documentário.




sábado, dezembro 19, 2009

Samba ao vivo na Rua do Ouvidor

No lindo centro da cidade maravilhosa, na frente da livraria Folha Seca, quinzenalmente há rodas de samba e de choro.A livraria é também editora, voltada para a cultura brasileira- futebol, música, historia. E resgata os espírito das antigas livrarias cariocas. Rua do Ouvidor, 37.
Soube agora que o sambista Wilson Moreira lançou lá seu CD. Para mim, que ando com saudades do Brasil, é um alento.


sexta-feira, dezembro 18, 2009

Saudades do Brasil




Resultados da Conferência Nacional de Comunicação

Por Cristina Charão
O caderno de resoluções da 1a Conferência Nacional de Comunicação deverá se tornar um documento central para as organizações e movimentos sociais que lutam pela efetivação do direito à comunicação no país. Constarão em suas páginas propostas que há muito são defendidas por estas organizações, como a constituição de um Conselho Nacional de Comunicação com poderes deliberativos, e outras bastante recentes, mas que se tornaram centrais nas disputas no processo da Confecom, como a transformação da banda larga em um serviço em regime público.
A etapa nacional da Confecom terminou por volta das 19h do dia 17 de dezembro.
Foram aprovadas propostas que apontam para a regulamentação dos artigos constitucionais que regem a comunicação social no país. Estarão no caderno resoluções que propõe regulamentar o Artigo 221, que trata das finalidades educativas e culturais da programação, da regionalização e da presença da produção independente no rádio e na TV. Também há propostas que caracterizam os três sistemas – público, privado e estatal – previstos como complementares no Artigo 220. E ainda outro inciso do Artigo 221, que trata da proibição do monopólio e oligopólio no setor das comunicações também terá uma proposta de regulamentação constante como resolução da 1a Confecom.
As adversidades regimentais provocadas pela insistente negociação para a permanência do setor empresarial no processo deixaram, entretanto, sua marca na etapa nacional da Confecom. Em especial, a instituição do subterfúgio dos “temas sensíveis” deixou de fora do caderno de resoluções questões centrais como a separação estrutural das redes (a obrigação de que serviços e infra-estrutura sejam controlados por empresas diferentes) e a instituição do direito de antena (a abertura de espaço nas grades de programação para transmissão de conteúdos de interesse público) para os movimentos sociais.
O pedido de “tema sensível”, com apoio de metade dos delegados de um dos setores criados para a Confecom – sociedade civil empresarial, não-empresarial e poder público – impunha a necessidade de quórum qualificado para a aprovação de uma proposta. No lugar de 50% mais 1 voto, era necessário que 60% do plenário apoiasse a proposta “sensível” para esta ser aprovada.
O mesmo mecanismo, entretanto, foi usado pelas organizações e movimentos sociais para barrar propostas dos empresários. Uma delas foi a liberação do uso do Fust (Fundo de Universalização dos Serviços de Telecomunicações) para que as empresas de telecomunicações ampliem suas redes de telefonia móvel e de internet. Ambos os serviços são prestados em regime público, ou seja, o setor privado não está sujeito a metas e compromissos com a qualidade ou a universalização. Também foi pedido “tema sensível” sempre que os empresários tentaram votar propostas de desoneração tributária, especialmente do setor de telecomunicações.
Em nenhum dos casos em que houve pedido de “tema sensível” pelos movimentos sociais, o quórum qualificado se impôs sobre a vontade da maioria. Já as propostas declaradas “sensíveis” pelo empresariado foram todas aprovadas pela maioria do plenário, mas não se tornaram resolução da Confecom por não alcançarem os 60%.
Do Observatorio do Direito à Comunicação

quarta-feira, dezembro 16, 2009

Vote num careca e ganhe dois??

Dave Brubeck & Al Jarreau - Take Five

Cidadão Boilesen e a Folha

Do Blog do Jakobskind


Não deu na Folha de S. Paulo.

Renato Khair foi assistir ao filme Cidadão Boilesen e, no documentário, a Folha é citada como colaboradora da repressão, inclusive cedendo carros do jornal para a famigerada Operação Oban. O rapaz resolveu, então, enviar um e-mail para o ombudsman da Folha, solicitando que o jornal se posicionasse diante das graves acusações, já que até hoje ninguém da direção havia ainda se manifestado. Afinal, a Folha colaborou ou não com a Oban? Abaixo, segue o e-mail que ele enviou e a resposta risível do Carlos Eduardo Lins da Silva. Nenhuma das mensagens foi publicada pelo jornal.



E-mail do Renato Khair:"No ótimo documentário 'Cidadão Boilesen', de Chaim Litewski, há uma citação expressa de que o jornal 'Folha de São Paulo' teria colaborado diretamente com a Operação Bandeirantes (Oban), da ditadura militar. A 'Folha' teria cedido suas caminhonetes aos membros da Oban, na repressão aos opositores da ditadura. É uma acusação grave e séria. Até agora, não vi nenhuma resposta da 'Folha', negando veementemente qualquer tipo de participação ou de apoio ao regime militar. O mínimo que se espera é que o jornal se manifeste, seja para refutar ou para confirmar tais afirmações". Renato Khair

Resposta do ombudsman da Folha:

Caro Sr. Renato,Durante o período ditatorial, a direção da Folha não foi informada da utilização de seus caminhões pelos órgãos de repressão. No entanto, investigações posteriores constataram que, de fato, alguns veículos do jornal foram usados por equipes do DOI-Codi. Esses atos foram praticados à revelia dos acionistas da empresa.Atenciosamente,Carlos Eduardo Lins da SilvaOmbudsman - Folha de S.PauloAl. Barão de Limeira, 425 - 8o. andar01202-900 - São Paulo - SPTelefone: 0800 159000Fax: (11) 3224-3895
ombudsma@uol.com.br
http://www.folha.com.br/ombudsman/

terça-feira, dezembro 15, 2009

Exame do Cremesp reprova 56% de estudantes de medicina

Da Folha Online

"Pelo terceiro ano consecutivo, a maioria dos estudantes que vão se formar em medicina no Estado de São Paulo foram reprovados no exame do Cremesp (Conselho Regional de Medicina do Estado de São Paulo). Neste ano, de 621 estudantes que prestaram o exame, 56% foram reprovados. Para o conselho, o índice comprova a precariedade do ensino de medicina no Estado.

Atualmente, 31 instituições formam cerca 2.600 médicos todos os anos em São Paulo. Além de não ser obrigatório, o conselho afirma que muitas faculdades e estudantes boicotam o exame, realizado há cinco anos. Mesmo assim, o Cremesp considera o número de participantes significativo, já que representa 25% dos alunos que cursam o último ano do curso.
Entre os conhecimentos avaliados em nove áreas da medicina, o pior desempenho dos estudantes ocorreu em clínica médica, que reúne os conhecimentos básicos do atendimento aos pacientes. "Lamentavelmente essa prova mostra que naquilo que as escolas deveriam melhor treinar o indíviduo que vai ser um médico, um especialista, nós temos resultados piores. Geralmente na clínica médica, nas áreas relacionadas à emergência, as portas de entrada para um médico recém-formado no país", afirma Bráulio Luna Filho, coordenador do exame.

Para Luna Filho, a má formação dos médicos é um problema que pode ser sentido também no aumento do número de denúncias de erro médico recebidas pelo conselho. Segundo o coordenador, em 1993 foram recebidas cerca de 1.400 denúncias, número que aumentou para 4.500 neste ano. "

Diagnósticos?

1-Menino de 3 anos é levado ao prontosocorro com febre, queda do estado geral e vômitos alimentares.
Não tem distensão abdominal significativa. A mãe refere que acriança está em fase de preparo ambulatorial para correção de hérnia inguinal e hidrocele à direita. O exame físico revela dor abdominal à
direita. O cirurgião indica exploração inguinal, para afastar torção testicular. Encontra pus no interior,
tendo o testículoaspecto normal, não havendo evidências de torção do pedículo testicular nem de
conteúdo visceral abdominal no funículo espermático. Principal diagnóstico que deverá
ser afastado:
A resposta correta é apendicite aguda, e 49% erraram.

2- Gestante com glicemia colhida após café da manhã igual a 210 mg/ dL, comparece à
consulta de pré-natal com 12 semanas. Conduta adequada: Iniciar dieta para
gestante diabética
77% erraram

segunda-feira, dezembro 14, 2009

Intervozes, Levante sua voz/ parte 2

Vídeo produzido pelo Intervozes Coletivo Brasil de Comunicação Social com o apoio da Fundação Friedrich Ebert Stiftung remonta o curta Ilha das Flores de Jorge Furtado com a temática do direito à comunicação. A obra faz um retrato da concentração dos meios de comunicação existente no Brasil.
Roteiro, direção e edição: Pedro Ekman
A primeira parte deste video está postada em Conferência Nacional de Comunicação.

domingo, dezembro 13, 2009

Da série: "Eu ainda me surpreendo"

1--Filme sobre a vida de Bruna Surfistinha, ou Raquel Pacheco, moça de classe média que saiu da casa dos pais e foi para a prostituição, de olho nos adolescentes , ou "teens" como a caboclada que quer ser yankee chama, terá poucas cenas de sexo não explícito. O diretor, formado pela ECAUSP, e iniciante, diz : " É lógico que é um beneficio ter os fãs da Raquel"...

Raquel tem fãs...
Raquel é chamada de "garota de programa", eufemismo moderno para designar a profissao mais antiga do mundo. Por que será? A tornará glamourosa, é isso?

Dizem os jornais que a biografia de Pacheco, feita por um professor de jornalismo, foi sucesso entre os adolescentes.


2--Projeto de lei 917, do deputado Waldir Agnello (PTB-SP) pode alterar a atual probição do uso de amianto no estado de SP.
Até mesmo a Abifibro, associação de industrias e distribuidores de produtos de fibrocimento- não quer a lei. Diz que " a indústria paulista já tem tecnpologia e está adaptada para produzir fibras alternativas".

O amianto foi banido por 50 paises, não o Brasil, mas Sp tem legislação própria.Ainda há aqui 3 fabricantes que utilizam amianto. Uma delas, a Confibra, diz que fibras alternativas custam caro e " nosso publico-alvo é a baixa renda"..

É isso, então, como é para pobres, podem morrer com os pulmões entupidos de amianto, já que fica mais barato.

3-A CTNBio (COmissão Técnica Nacional de Biossegurança) diz que não mais será preciso monitorar empresas que vendem produtos transgênicos, para rastrear seus efeitos.
Diz Walter Colli, o presidente, que está de acordo com a indústria. Em novembro, ele propôs a suspensão do monitoramento posterior à liberação comercial. Esse monitoramento nao foi posto em prática, pois segundo a indústria, é impossivel de ser feito, já que são 15 mil produtos com milho ou soja transgencia, olhem só!

Não entendi, lendo o jornal- nunca entendo o que eles escrevem, pois sempre falta explicar- quem faria esse monitoramento. Se o governo, que não tem fiscais, se as proprias empresas, que nao tem nenhum interesse em descobrir efeitos colaterais dos transgenicos.

Então é assim: a CTNBIo já liberou transgênicos varios, mas nós o povo não sabemos que produtos contém- e olhe que segundo pesquisas do Greenpeace, do oleo Lisa ao Bis da Lacta, são transgenicos. E mais um monte, já que dizem , há 15 mil produtos que "podem ou não" ser transgenicos.

Tudo bem, eu só queria saber o que consumo, e quais os efeitos colaterais dos transgenicos, o que o lobby transnacional nao permite, e os governos aceitam, inclusive o do Lula.

Abominável mundo novo

Reproduzo artigo do jornalista Celso Lungaretti (*). Li o texto ao qual ele se refere e tive o mesmo sentimento.


"A construção civil é uma das atividades econômicas mais dependentes de contratos governamentais e, portanto, mais propensas à corrupção, ao falseamento de concorrências e outros crimes do colarinho branco.Caso da construtora Odebrecht, que, não faz nem dois meses, foi condenada pelo Tribunal de Contas da União por fraude num contrato para a manutenção de plataformas de petróleo na Bacia de Campos: uma auditoria do TCU flagrou "erros grosseiros" na prorrogação do contrato da Odebrecht com a Petrobrás, elevando em R$ 1,45 milhão o valor a ser desembolsado pela estatal.Isto não impede a Folha de S. Paulo de manter Emílio Odebrecht, presidente do Conselho de Administração da construtora, como colunista dominical.Seu texto deste dia 13, O desafio da expatriação, é dos mais repulsivos, louvando a emigração de profissionais brasileiros integrados a empresas que operam internacionalmente.Exalta os indivíduos movidos pela ganância, sem amor pelo seu povo nem afinidade sentimental com seu país, capazes de apagar totalmente sua história pregressa e recomeçar do zero numa terra estranha:
"...o principal desafio do indivíduo deve ser sair sem ter o projeto de voltar. Trabalhar no exterior pode significar um grande salto de desenvolvimento para si e para toda a sua família. Por isso, não deve ir com a mala, mas ir de mudança".Fez-me lembrar aquela tese sinistra de que, no mundo novo, as empresas substituirão as nações para todos os efeitos práticos. Cada um de nós vai pertencer a uma corporação, pouco importando onde atue, mesmo porque será transferido daqui pra lá e de lá pra cá ao sabor das conveniências empresariais.Que seres humanos desarraigados, egoístas e insensíveis o capitalismo quer formar! Os zumbis perfeitos do sistema, oscilando na órbita de corporações, em dependência extrema que acabará se tornando submissão extrema!E como isso violenta nossa índole apaixonada de latinoamericanos! Noutro dia mesmo recebi mensagem desalentada de um amigo engenheiro que mora no Canadá, queixando-se da exasperante previsibilidade de uma sociedade em que tudo é arrumado, organizado, disciplinado e fiscalizado demais. Preferiria estar entre hermanos, mas sacrifica-se em benefício da carreira dos filhos.Mais tocante ainda foi o desabafo de Gilberto Gil, quando teve de viver exilado em Londres: "Só quero que você me aqueça neste inferno/ e que tudo mais vá para o inverno".Se esse abominável mundo novo fosse uma certeza, não lamentaria já ter deixado para trás pelo menos dois terços da minha existência.Mas, como não sou tão pessimista, dedicarei o restante dos meus dias a ajudar os que tentam construir um futuro diferente para a humanidade.

* Jornalista e escritor, mantém os blogues
http://naufrago-da-utopia.blogspot.com/
http://celsolungaretti-orebate.blogspot.com/

sábado, dezembro 12, 2009

Campanha contra anistia a torturadores

Nos próximos meses, o Supremo Tribunal Federal (STF) irá julgar um processo decisivo para o futuro democrático do Brasil. Trata-se da ADPF (Argüição de Descumprimento de Preceito Fundamental) nº 153, proposta em outubro de 2008 pelo Conselho Federal da Ordem dos Advogados do Brasil, que reivindica que o Supremo interprete que a Lei de Anistia não se aplica aos crimes comuns praticados pelos agentes da ditadura civil militar (1964-1985).

O processo aguarda o parecer do Procurador Geral da República, e, em seguida, o ministro relator, Eros Grau, poderá colocar em pauta de julgamento.Com o objetivo de impedir que os agentes da repressão sejam anistiados, um grupo de defensores de direitos humanos e entidades da sociedade civil criou o “Comitê contra a Anistia aos Torturadores”.Tortura, assassinato e desaparecimento forçado são crimes de lesa-humanidade, portanto não podem ser objeto de anistia ou auto-anistia. Estudos indicam que a impunidade dos crimes de ontem favorece a continuidade da violência atual dos agentes do Estado, que continuam praticando tortura e execuções extrajudiciais contra a população pobre.

A primeira iniciativa do comitê é o lançamento de um manifesto on-line, que já conta com o apoio de intelectuais, artistas, juristas, parlamentares e defensores de direitos humanos.Entres os que subscrevem a petição estão Antonio Candido, Chico Buarque, José Celso Martinez Correa, Aloysio Nunes Ferreira, Frei Betto, Marilena Chauí, João Pedro Stedile e Sérgio Mamberti.

Para assinar o manifesto,

http://www.ajd.org.br/contraanistia_port.php

Cambalache, 1935

Carlos Gardel canta, de Discepolo, o hino do século 20 e deste 21.

quinta-feira, dezembro 10, 2009

Manchetes de amanhã

O Globo.com já foi o primeirão, estadão.com.br já tem áudio também,agora esperemos a fileira de jornais do país que darão a mesma manchete:

"Lula diz que investe em saneamento básico 'para tirar o povo da merda'

Presidente reconhece que será criticado por comentaristas de jornais por usar palavrão em discurso sobre o 'Minha Casa, Minha Vida'

SÃO LUÍS - O presidente Luiz Inácio Lula da Silva disse nesta quinta-feira que nenhum governo investiu tanto em saneamento básico quanto o dele. Durante a cerimônia de assinatura de contratos do programa Minha Casa, Minha Vida no Maranhão, Lula chegou a usar um palavrão para dizer que quer tirar o povo da pobreza
"Eu não quero saber se o João Castelo é do PSDB. Se o outro é do PFL. Eu não quero saber se é do PT. Eu quero é saber se o povo está na merda e eu quero tirar o povo da merda em que ele se encontra. Esse é o dado concreto - disse o presidente, que em seguida reconheceu que será criticado por ter dito o palavrão."

- Amanhã os comentaristas dos grandes jornais vão dizer que o Lula falou um palavrão, mas eu tenho consciência que eles falam mais palavrão do que eu todo dia e tenho consciência de como vive o povo pobre desse país. E é por isso que queremos mudar a história desse país. Mudar a história desse país não é escrever um novo livro, é escrever na verdade uma nova história desse país incluindo os pobres como cidadãos brasileiros.

terça-feira, dezembro 08, 2009

A cobertura neutra da maior enchente do ano em SP

No Uol
Mau tempo
SP tem trânsito livre edez pontos de alagamento
Kassab: obras contra a chuva dão resultado
Metrô de SP reforçará frota durante a noite


No estadao.com.br

Planejamento
Obras dão resultado, afirma Kassab
Prefeito defendeu gestão contra enchentes


No R7
SP aumenta verba para emergências e esquece piscinões


A única manchete crítica é esta do portal da Record, o R7. Será nossa sina agora ter de elogiar o grupo da TV do Bispo Macedo?
Credo.
É que em terra de cego...


E até os jornalistas do R7 não conseguiam chegar ao trabalho.

Jornalistas do R7 ficam ilhados

Investimentos contra enchentes dão resultados, diz Kassab


Foto: Luiz Guarnieri/Futura Press

O prefeito de São Paulo, Gilberto Kassab (DEM), culpou nesta terça-feira (8) o volume de água "acima do normal" nas cabeceiras do rio Tietê pelos problemas que a cidade enfrenta hoje.
"A limpeza dos bueiros e dos piscinões está sendo feita adequadamente e os resultados dos investimentos já aparecem", afirmou


Mais uma vez o caos em SP. Um homem morre soterrado e deslizamento mata 4 crianças na Grande SP.

O prefeito, figura de cinismo inigualável, foi eleito pelos paulistanos.

domingo, dezembro 06, 2009

Bortolotto, Machbeth e a nossa vida não vale um Chevrolet

Comentário do meu amigo Liu

"Sim, nossa vida não vale um Chevrolet (hoje em dia um Audi, ou qualquer flex), a virada do século e a desilusão beat batendo com toda a beleza do blue e jazz e não adiantou exclamar: Fica frio!Dramatúrgica ocorrência, roteiro de Bukowski ou Plínio, referências dos notívagos que tem botecos como catedrais e a angústia por credo. Os caras que balearam Bortolotto e Carcarah são os outsiders confusos da noite suja que justamente atiraram num poeta dos fodidos.Ironia dramática, marcação, vacilo, cagada. A espiral da violência (perdão pelo cliché) prevista, premonitória, arrasadora, entortando nossas concepções classe média sobre segurança, generosidade e a proteção divina aos bebuns e outsiders. Ninguem mais está a salvo, muito menos osfilhos da noite.

"Life's but a walking shadow, a poor player, That struts and frets his hour upon the stage, And then is heard no more. It is a tale told by an idiot, full of sound and fury, signifying nothing".

Shakespeare, Macbeth. "



Sim Liu, um espetáculo de som e fúria, deve ser isso, como vaticinou o velho bardo. Mas não posso crer que não signifique nada.

Pois é, atiraram justamente num poeta dos fodidos, e tome ironia.Nem crianças, nem bebuns têm mais a proteção divina, como dizia a sabedoria popular antigamente, e quando havia sabedoria popular.Crianças atiradas de edifícios.Crianças assassinadas nas guerras.
Poetas, então, nem fala.

Nossa vida não vale mais que um casaco do segurança do espaço Parlapatões?

Quaro tiros, e por que tantos? Perguntaria a compositora dos anos 70. Estavam lá, no bar do teatro, os artistas, depois da peça “Brutal”, dirigida pelo dramaturgo.Os artistas são mesmo as antenas da raça e só eles podem traduzir o mundo, em busca da nossa salvação. Mesmo, e principalmente, traduzir a brutalidade.Mas são frágeis, esses artistas, seu tórax, sua coluna, seus braços.

Que os deuses do teatro e as Musas velem por ele.

quarta-feira, dezembro 02, 2009

O CQC e o humor mal intencionado



O programa humorístico CQC, da TV Bandeirantes, exibiu em 31 de novembro uma peça sobre a pré-estréia do filme Lula, o filho do Brasil em São Bernardo do Campo (SP). Um dos “homens de preto”, Oscar Filho, (na foto, o segundo a partir da direita) apresentado no site do programa como ator e humorista, pergunta a dois espectadores se eles conhecem Lula.
--Não só conhecemos como estivemos presos com ele, responderam.
--Ah é? E na cadeia, quem fazia a mulherzinha? Pergunta o solerte ator desempenhando o papel de repórter.
Entre os jornalistas, acotovelados, esperando uma brecha para entrevistar o presidente, pergunta a um câmera, apontando para o que parece ser uma persiana: “Você está louco para o Lula por a cabecinha, né?”
Na segunda-feira após a semana em que a Folha de S. Paulo havia publicado artigo de Cesar Benjamin denunciando um não comprovado ato de assédio sexual de Lula a um preso, é sintomática a pauta do programa na pré-estréia do filme sobre a vida do presidente.
Na mesa, Rafinha Bastos, ao lado do apresentador e responsável pelo programa, Marcelo Tas, e de Marco Luque, comenta algo a respeito de uma matéria com estudantes bebendo no bar, entrevistados sobre a prova do Enem, com questões alusivas ao governo, consideradas propaganda e que estão sendo julgadas nas instâncias do MEC. Cito de memória:
“Eles estão enchendo a cara, seguindo o exemplo do presidente”.
Não só o CQC usa o humor para caluniar. Jornalões da imprensa escrita contam com caricaturistas e cartunistas executando o mesmo serviço sujo. Pois é admissível, por exemplo, que se retrate o presidente lendo um jornal de cabeça para baixo, com um copo de bebida ao lado, e borbulhas saindo de sua boca?
Há um abismo de diferenças entre a irreverência inteligente e a má intenção declarada, o preconceito. Irreverente era o personagem criado por Tas nos anos 80, Ernesto Varela, enfrentando com humor e picardia políticos como Paulo Maluf. Hoje, Tas é mais um dos que engrossam o coro dos descontentes com Lula- o que é um direito inalienável. Claro, democracia é assim. Está lançando até um livro com frases do presidente. No dia 23 de novembro ele comentou no blog:
Nunca Antes na História Deste País , meu livrinho que comenta a epopéia do "cumpanhero" Lula em forma de frases e novas profissões assumidas pelo ex-metalúrgico no poder, entrou esta semana na lista dos 10 livros mais vendidos da revista Veja. Está na quarta posição (veja o top 10 acima), exatamente à frente de um livro sobre canções de Chico Buarque, da biografia de Erasmo Carlos e do livro de Ana Maria Braga.
(Bem, a lista dos dez mais de Veja não é exatamente objetiva, como se pode verificar na denúncia do jornalista Luis Nassif , dentro de seu Dossiê Veja, sobre a seção Os mais vendidos: http://luis.nassif.googlepages.com/osmaisvendidos)
Criticar é ótimo, só não é democrática a crítica que não parte da discordância política, mas do viés de classe. A falta de um dedo, perdido em acidente de trabalho braçal, a falta de educação formal, a origem proletária são indesculpáveis neste presidente, mesmo reconhecido internacionalmente, mesmo com alta popularidade.
Uma trajetória que só tem a orgulhar o país, mesmo aos que discordam politicamente. Um da senzala chegar ao poder é inadmissível para os da casa grande. Até aí, entende-se. Entretanto, também para os que nem a habitam,nem habitarão, mas desejam...
Muitas intervenções do programa são engraçadas, inteligentes. Mas o resto não escapa do estereótipo esclerosado do que se entende por humor na televisão: agressão e preconceito. E, como se apresenta também como um resumo das notícias, sofre do pior defeito do jornalismo, a manipulação.
Pesquisando sobre o programa, deparei com um artigo de um repórter policial do grupo Globo, Jorge Antonio de Barros, a quem não conheço. Em agosto deste ano repercutiu na internet o vídeo “O dia da caça” que o repórter tentou fazer com um dos homens de preto, Rafael Bastos, colocado no youtube, que acabou removido do site do Google devido "à reivindicação de direitos autorais da Rafinha Productions”.
Bastos não gostou nada da entrevista nos mesmos moldes em que atua o CQC e o vídeo foi censurado, depois recolocado no youtube por outro usuário e atualmente é exibido no Yahoo. Ninguém entendeu a censura por direitos autorais, já que o vídeo foi feito por um repórter e editado por ele.
Em seu blog, Marcelo Tas, afirma: “A combinação de jornalismo com humor é muito poderosa."
É verdade. E em alguns casos, quando o humor é mal intencionado, e o jornalismo manipulador, muito perigosa, como neste, em que se contribui para engrossar um caldo de cultura que despolitiza a política, tentando tornar “cômica” a explicitação de preconceitos.


O vídeo censurado chama-se O Dia da Caça:



terça-feira, dezembro 01, 2009

Espécies exóticas

Do blog do Pedro Martinelli, que conhece e anda pela Amazonia há quase 40 anos e paga seus pecados quando vê essas coisas:



"O governo do Pará descobriu uma maneira de pagar os pecados na terra e garantir um lugar no céu. A prova que a floresta nativa e um verde qualquer é a mesma coisa esta nesta notícia que a Folha de São Paulo publicou na semana passada. Imagina, espetaram no que já foi uma delicada camada úmida de humus, composta de folhas, do solo amazônico 220 milhões de pés de eucalipto, 1/3 do que ainda pretendem espetar para deixar tudo verde e sair bem na foto que o satélite vai fazer.

E, para afastar definitivamente a possibilidade de ir para o inferno seguem o Código Florestal que permite o plantio de “espécies exóticas como pioneiras, visando a restauração do écossistema original.” Agora só falta contabilizar quantos campos de futebol de eucalipto o estado do Pará terá no final da “restauração”.

segunda-feira, novembro 30, 2009

Cuidado com as trevas




Do meu amigo Alipio Freire, sobre o 'artigo" de Cesar Benjamin na Folha de S. Paulo e sobre a fascistização.

(...) "O centro da minha preocupação é a "naturalização" e "banalização" das práticas de matriz fascistóide, onde se despolitiza a política, e se a substitui por escândalos (ou supostos escândalos - como neste caso) sobre a vida privada dos sujeitos políticos.Esse tipo de banalização é ainda mais grave, quando (por estarem "naturalizados") esses métodos passam a ser praticados até mesmo por pessoas que se propõem de esquerda, ou assim se apresentam; e até por militantes de longa história de luta - como o caso César Benjamin.

Espantam-me também alguns textos que, na sua legítima ansiedade de defender o presidente Luiz Inácio Lula da Silva da acusação (calúnia/difamação) de que foi alvo, invertem o sinal da equação, e procedem acusações semelhantes contra o proprietário/herdeiro do Pasquim da Barão de Limeira.Decididamente não nos interessam os segredos e práticas privadas de alcova de qualquer cidadão enquanto espetáculo público, voyeurismo, prazeres solitários, ou o que quer seja. Trazê-los para a discussão, é igualmente (e muitas vezes sem perceber - obviamente) dar seqüência aos métodos e práticas fascistizantes aos quaos nos referimos acima.

O essencial é exatamente mudarmos esse tipo de lógica (em nossas cabeças) e de prática (em nossas ações políticas - ou ações de qualquer ordem).Deixar também que a nossa indignação se limite à questão eleitoral, e tentarmos inverter apenas o jogo dos votos, esbarra no mesquinho, no imediatismo, no oportunismo.

É preciso irmos sempre mais fundo, pois - numa questão desse tipo - o debate e disputa não são apenas político-eleitorais, ou simplesmente políticos (no sentido restrito). Em coisas desse tipo coloca-se claramente uma disputa de valores, uma disputa ideológica. E, ou estamos atentos para isto ou, imbuídos dos mais nobres sentimentos e intenções, estaremos reproduzindo de forma ampliada os valores e métodos do inimigo, valores que devemos sepultar, se queremos uma sociedade igualitária e livre.

Aliás, diz-nos um velho camarada de boa cepa que, "esquecer os objetivos maiores e de longo prazo, em função de pequenas vitórias imediatas, sempre foi e será oportunismo" (Teses sobre Feuerbach - citado de memória).


Ou seja, para além da inverdade da acusação, o que desqualifica funtamentalmente o texto "Os filhos do Brasil" e o jornal que o publicou, é sua matriz ideológica fascista - e este é o mais sinistro sintoma dos tempos que vivemos. É desse ponto de vista que devemos partir, até mesmo para nos defendermos dos danos eleitorais, que é o óbvio objetivo do texto e de sua publicação no atual contexto".

domingo, novembro 29, 2009

O bicentenário de Francisco de Paula Brito




















No Jornal do Brasil de sábado (28) . Rodrigo Ferrari, dono da simpática livraria Folha Seca, na rua do Ouvidor, Rio de Janeiro, escreveu um artigo sobre "bicentenário de uma figura esquecida na história do Rio, personagem marcante na cena carioca de meados do século 19. Poeta, tipógrafo, livreiro, editor, jornalista e dono de jornal, comerciante, impressor, tradutor, compositor, dramaturgo, Paula Brito marcou seu tempo não só por tudo isso, mas principalmente por criar em seu estabelecimento um espaço de sociabilidade que o transformou num dos mais importantes agentes de mediação cultural da sociedade de então."

Francisco de Paula Brito.
Na próxima quarta, 2 de dezembro, comemora-se o bicentenário do tipóprafo, editor e abolicionista, e a Livraria dedicou o ano a homenageá-lo. Já falei aqui sobre ele quando descobri a livraria .

Vai um trechinho do artigo do Rodrigo, leia mais aqui



"Foi nesse ano mesmo de 1853 que Paula Brito compôs os versos de um lundum que seria cantado aos quatro ventos não só na cidade do Rio, mas também no interior da província e arredores. Tratava-se de A marrequinha de iaiá, buliçosa composição propositadamente libidinosa e matreira, parceria com Francisco Manuel da Silva, autor de um hino destinado a festas da independência que mais tarde se transformaria em nosso Hino Nacional.

Isso tudo fez José Ramos Tinhorão escrever um belo artigo na Revista Cultura, número 28 de 1978, onde afirma textualmente que foi na loja de Paula Brito que surgiu a canção popular de parceria, isso entendido como letra e música sendo produzidas conjuntamente. Isso só foi possível pelo encontro que ali se dava dos poetas da geração romântica com os músicos populares frequentadores da casa. Para Tinhorão, Paula Brito assumiu brilhantemente o papel de mediador entre a cultura popular e a da elite nos anos de transição para o Segundo Império.

Doe um livro, no Natal e sempre

Muita gente, como eu, de vez em quando quer doar livros e tem dificuldade de achar quem receba. Agora no Natal, uma campanha interessante recebe livros.
"Passe essa história adiante.Doe um livro”
Foi lançada no twitter e cresceu, se juntou à Fundação Abrinq, Ong Visão Mundial e Projeto Sempre um Papo e Conselho de Secretarios Estaduais de Educação. As doaçoes podem ser feitas nas Secretarias de Estados de Educação, em 300 filiais da Droga Raia em cinco Estados do país (SP, RJ, MG, RS e PR).

Endereços
http://doeumlivrononatal.blogspot.com

sexta-feira, novembro 27, 2009

Paulo Freire é anistiado 45 anos após o exílio

Deu no Portal do MEC
Não vi nada na imprensa ontem ou hoje sobre a notícia. Quando Paulo Freire, não me esqueço, a "revista" Veja publicou um obituário apenas, e falando mal.
Já no resto do mundo, o educador sempre foi reconhecido.

Em julgamento nesta quinta-feira, 26, durante o Fórum Mundial de Educação Profissional e Tecnológica, foi declarada a anistia do educador Paulo Freire. A Comissão de Anistia do Ministério da Justiça, que analisou o requerimento feito pela viúva Ana Maria Freire, em 2007, sob a ótica da perseguição política sofrida pelo educador à época da ditadura, também pediu desculpas pelos atos criminosos cometidos pelo Estado.

“Esse pedido de perdão se estende a cada brasileiro que, ainda hoje, não sabe ler sua própria língua”, disse o relator do processo, Edson Pistori. Para ele, a perseguição a Paulo Freire pela ditadura se traduz no impedimento à alfabetização de milhares de cidadãos e, principalmente, à conscientização de cada um deles sobre a própria condição social.

quarta-feira, novembro 25, 2009

Maiakovski a plenos pulmões




Os versos
para mim
não deram rublos,
nem mobílias
de madeiras caras.
Uma camisa
lavada e clara,
e basta, —
para mim é tudo.


Tradução Haroldo de Campos

Feira de Livros na USP

Tudo com 50% de desconto, começou hoje e vai até sexta, no predio da Historia e Geografia.Martins Fontes é das mais procuradas, assim como Cosac Naif.

sexta-feira, novembro 20, 2009

Silvas

De repente, não mais que de repente, concluo: a maior família do Brasil, os Silva (minha amiga Silvanete tem no nome e no sobrenome, e sempre disse que é a família mais tradiconal da Rio-Bahia) é precedida da preposição de mais o artigo a quando é pobre e da preposição e apenas, quando é rica. Confiram.

terça-feira, novembro 17, 2009

Este filme não é de ficção

A Conferência Nacional de Comunicação será realizada pela primeira vez em dezembro, reunindo governo, sociedade civil e empresários, embora que se saiba as grandes famílias donas da comunicação não participarão.
A Intervozes , uma importante organização que atua pelo direito à comunicação no país – lançou o vídeo “Levante sua voz”, com direção de Pedro Ekman e narraçãode José Rubens Chachá.
Didático, útil e necessário.

Intervozes - Levante sua voz from Pedro Ekman on Vimeo.

segunda-feira, novembro 16, 2009

Pedágio pra atravessar a praça? Só faltava

do blog É tudo política

Vitória da mobiização
Os moradores da pequena Vargem conseguiram uma grande vitória na Justiça. Não terão de pagar pedágio na Rodovia Fernão Dias na praça que corta a cidade ao meio. Toda vez que alguém ia levar o filho na escola ou para o açougue tinha de pagar R$ 1,20 na ida e R$ 1,20 na volta. Desde domingo, a passagem dos carros com placas de Vargem está isenta.

domingo, novembro 15, 2009

Pete Best, o outro Beatle



Recebi do maior beatlemanico que conheço e achei interessante.

Por Antonio Carlos Miguel

RIO - Ele foi trocado por Ringo Starr em agosto de 1962, mas um ex-beatle não se livra de seu passado. Mais de quatro décadas após a separação litigiosa, Pete Best está de volta ao Brasil, agora como a cereja no bolo do show de The Beats, banda argentina cover dos Beatles, que se apresentou neste sábado (14.11), no teatro do MAM carioca.

- Eu conheci o grupo numa apresentação que eles fizeram em Liverpool e percebi que eles são muito musicais, têm o espírito da sonoridade dos Beatles - conta, por telefone, Best, que assume a bateria em algumas canções, aquelas relacionadas aos dois anos em que ele atuou ao lado de John Lennon, Paul McCartney e George Harrison, e também conta histórias da época.Best nunca mais encontrou os ex-companheiros.

Ao sair do grupo, não faltou trabalho como baterista para Best, que, por cerca de um ano, ainda encontrou com os ex-companheiros no então efervescente cenário musical de Liverpool. A partir de 1963, quando os Beatles começaram a conquistar o mundo, seus caminhos nunca mais se cruzaram. Mas o veterano baterista - que completará 68 anos em 24 de novembro - diz que não se lamenta.

- Tantos anos depois, não guardo mágoa, não vejo sentido em ficar brigando com o passado. Prefiro lembrar os bons momentos que vivemos juntos e de como contribuí para a história deles. Na época, sonhávamos com o sucesso, em ser o número um na Inglaterra, talvez na Europa, depois de nossas temporadas em Hamburgo, mas nunca poderíamos imaginar que os Beatles chegassem tão longe.

Então o principal porto da Inglaterra, a cidade de Liverpool também era um importante centro musical na época, abrigando o chamado movimento Mersey Beat, com dezenas de bandas que começavam a migrar do gênero skiffle - uma mistura de blues, folk e rockabilly que foi muito popular na Inglaterra dos anos 1950 - para o rock que renasceria com os Beatles.- Sempre tivemos uma forte tradição musical em Liverpool, com muitas big bands de jazz e orquestras de dança. O fato de recebermos gente de diferentes culturas contribuiu para isso, mas outro fator importante é que os músicos de Liverpool tocam de coração, botam suas almas no que fazem - garante Best, que também dá seu aval aos Beatles argentinos. - Eles conseguem passar pelas diferentes fases musicais do grupo.


ALBUM SOLO FOI LANÇADO EM SETEMBRO

Pete Best lançou no dia 16 de setembro, seu primeiro álbum solo com canções próprias. O disco chegou às lojas 46 anos após Best ser despedido da uma das maiores bandas da história da música.O álbum, intitulado “Hayman’s Green”, recebeu esse nome devido a uma rua em Liverpool onde se encontra o Casbah Coffee Club, que pertence à mãe do baterista e foi local de apresentação dos Beatles no início de carreira.As 11 faixas viajam na autobiografia de Best, demonstrando sua amargura após ter sido forçado a sair do grupo, em 1962, pouco antes do primeiro sucesso “Love Me Do”. Pete foi convidado a se retirar por causa da bebida e de incansáveis brigas com Paul McCartney.




Poesia de xará

Salvador Dali


Lucidez a duras penas

(para o amigo Kaneaki Tada,
artista plástico zen,
no Natal de 1985)

Elizabeth Sigoli


Milhares de pombos em revoadas lúdicas
nesse céu de abril ou março...

Não é apenas uma onda de sensação
que me invade,
mas algo luminoso,
como se torrões de quartzo estivessem
chovendo sobre minha pele alva.
Bebê-los-ei sem severidade alguma
e me empanturrarei
do gosto sábio da divindade.

Inda que veja raios no céu,
não deverei temer a tempestade,
que é passageira
e não deixa rastro de sal.

Cores de esplendores vários formarão
um tapete macio para meu corpo,
ávido de viagens.
A aurora deslizando pela neve
e cortando suas mãos de gelo,
rebentará em arco-íris.

E mais e mais:
vejo a decência do cosmos
em não perturbar o seu ciclo
de lúcida grandeza...

Percorrer labirintos,
ainda que seja difícil
e estonteie a cabeça,
é jornada promissora,
já que a verdade não pode ser gasta
para que os impuros tenham a coragem
de desgraçá-la mais.

Protejamos a justiça,
mesmo que seja tarde
e que cortem nossa língua.
Estar em ebulição
é algo mais do que deitar-se
num divã macio
de comodismo e ranço.

Tenha a glória largas mãos
para os que ousaram desnudar-se em dor.
Sempre haverá mártires para encher
a boca dos inválidos com a peste
da corrupção, ansiosa
por devorar nossos ideais.

Que o sol beije nossas almas
com o virtuosismo dos grandes mestres,
que tecem sua obra com fios de ouro.

sexta-feira, novembro 13, 2009

quarta-feira, novembro 11, 2009

Almanaque de sobrevivência sob apagões - Há males que vem pro pior





Por Zé via de Regra, uma amiga chinesa de sexo inconsutil



Vous, demoiselle pobretona, parada encalhada numa estação de metro arrodeada de ordinaire peuple, mães esbaforidas com crianças remelentas no regaço, estafetas lançando olhares gulosos sobre ti, escriturários e secretárias em plena decomposição da produção estética matinal, estudantes trazendo o quarto inteiro (deles) na mochila, peãozada suarenta, dondocas gritadeiras ao celular e tipos diversos dessa fauna humana urbana que zouzou denomina por: populacho.
Atenção, tá achando ruim? Sempre pode piorar pra pior. Par example?Uma equipe zumbi-devoradora-de-catástrofes-urbanas te meter um spot na cara e a mulher-repórter-investigativa te sapecar indagação metafísica original: “Como está a situação? Tá difícil voltar pra casa?”. Atenção, de novo: Escarrar no microfone da bruaca é gesto cafona que deve ser evitado. Armar sorrisinho amarelo e responder: “Gente, é ruim, hein? Tô tentando ligar pra avisar o mordomo em casa e minha bateria descarregou. Eshtá tudo um caos! Nem sei quando vou chegar ao meu chatô, que chato”, isto tambem jamé, denota apego a jargões e falta de intimidade diante de câmeras ligadas. O aconselhavel é flegma, finesse, pontificar com calma controlada algo tipo: “Chérie, estou currrtindo de montão. Agra mesmo tava convocando essa gentalha maravilhosa a nos sentarmos e cantarmos juntos”:

Ou então está espremida dentro de um elevador lotado de transpiradores compulsives e claustrofóbicas histéricas. O bofe de trás aproveita pra dar uma encostadinha na tua lataria, sussurando docemente na sua presilha cravejada de microdiamantes: “O acha, linda, sabe mexer com força?”. Desaconselhavel gritar ou blasfemar. Indica fragilidade feminil incompativel aos modern times, zezinha sugere retromartelada contra o pistão e as arruelas do cafajeste pra gerar tumulto. Afinal, uma mulher sabe fazer um homem gemer e sentir muita dor, quiquiqui. Enquanto se arma o tumulto, cantarole languidamente Olê Olá.

Aí você consegue chegar toda amarrotada e descabelada no recôndito do lar, dorme sem banho porque a água dançou, desperta cambaleante das dezessete doses de scotch que ingeriu à guisa de amansa-leoa, liga a TV e se depara com filas de especialistas e palpiteiros instant-celebrities chutando às questões ishpértas de dona Leitoa, Alexandre Sargentinho Garcia e Ana Braga, ponteando lástima sobre falta de investimento federal, apesar das advertências do sábio ZéSerra, e aventando suspeitas contra Sem-Terras terroristas e índiarada guarani sabotadora. Não atire o chinelinho contra a tela. Alem de não os atingir diretamente (se o sujeito errou o Bush de perto...), pode furar a tela e derramar o plasma (não sei se derrama, é líquido, não?). Respire fundo, beba um gole de champã-cura-ressaca-instantânea, e cante em altos brados:

<

terça-feira, novembro 10, 2009

Tropicália, bananas ao vento: Zé Celso vive!

Tropicália, sob o signo de escorpião
José Celso Martinez Corrêa
Caderno 2


No mesmo dia em que Caetano fazia sua entrevista de capa, muito bela como sempre, no Caderno 2 do Estadão, o Ministro Ecologista Juca Ferreira publicava uma matéria na Folha na seção Debates. Um texto extraordinariamente bem escrito em torno da cultura, como estratégia, iniciada no 1º Governo de Lula ao nomear corajosa e muito sabiamente Gilberto Gil como Ministro da Cultura e hoje consolidada na gestão atual do Ministro Juca. Hoje temos pela primeira vez na nossa história um corpo concreto de potencialização da cultura brazyleira: o Ministério da Cultura, e isso seu atual Ministro soube muito bem fazer, um CQD em seu texto. Por outro lado, meu adorado Poeta Caetano, como sempre, me surpreendeu na sua interpretação de Lula como analfabeto, de fala cafajeste, abrindo seu voto para Marina Silva.Nós temos muitas vezes interpretações até gêmeas, mas acho caetanamente bonito nestes tempos de invenção da democracia brazyleira, que surjam perspectivas opostas, mesmo dentro deste movimento que acredito que pulsa mais forte que nunca no mundo todo, a Tropicália.Percebi isso ao prefaciar a tradução em português crioulo = brazyleiro do melhor livro, na minha perspectiva, claro, escrito sobre a Tropicália: Brutality Garden, Jardim Brutalidade, de Chris Dunn, professor de literatura Brazyleira, na Tulane University de New Orleans.Acho, diferentemente de Caetano, que temos em Lula o primeiro presidente antropófago brazyleiro, aliás Lula é nascido em Caetés, nas regiões onde foi devorado por índios analfabetos o Bispo Sardinha que, segundo o poeta maior da Tropicália, Oswald de Andrade, é a gênese da história do Brazil. Não é o quadro de Pedro Américo com a 1ª Missa a imagem fundadora de nossa nação, mas a da devoração que ninguém ainda conseguiu pintar.Lula começou por surpreender a todos quando, passando por cima das pressões da política cultural da esquerda ressentida, prometeica, nomeou o Antropófago Gilberto Gil para Ministro da Cultura e Celso Amorim, que era macaca de Emilinha Borba, para o Ministério das Relações Exteriores, Marina Silva para o Meio Ambiente e tanta gente que tem conquistado vitórias, avanços para o Brasil, pelo exercício de seu poder-phoder humano, mais que humano.Phoderes que têm de sambar pra driblar a máquina perversa oligárquica, podre, do Estado brasileiro. Um estado oligárquico de fato, dentro de um Estado Republicano ainda não conquistado para a "res pública". Tudo dentro de um futebol democrático admirável de cintura. Lula não pára de carnavalizar, de antropofagiar, pro País não parar de sambar, usando as próprias oligarquias.Lula tem phala e sabedoria carnavalesca nas artérias, tem dado entrevistas maravilhosas, onde inverte, carnavaliza totalmente o senso comum do rebanho. Por exemplo, quando convoca os jornalistas da Folha de S. Paulo a desobedecer seus editores e ouvir, transmitindo ao vivo a phala do povo. A interpretação da editoria é a do jornal e não a da liberdade do jornalista. Aí , quando liberta o jornalista da submissão ao dono do jornal, é acusado de ser contra a liberdade de expressão. Brilha Maquiavel, quando aceita aliança com Judas, como Dionísios que casa-se com a própria responsável por seu assassinato como Minotauro, Ariadne. É realmente um transformador do Tabu em Totem e de uma eloquência amor-humor tão bela quanto a do próprio Caetano.Essa sabedoria filosófica reflete-se na revolução cultural internacional que Lula criou com Celso Amorim e Gil, para a política internacional. O Brasil inaugurou uma política de solidariedade internacional. Não aceita a lógica da vendetta, da ameaça, da retaliação. Propõe o diálogo com todos os diabos, santos, mortais, tendo certa ojeriza pelos filisteus como ele mesmo diz. Adoro ouvir Lula falar, principalmente em direto com o público como num teatro grego. É um de nossos maiores atores. Mais que alfabetizado na batucada da vida, lula é um intérprete dela: a vida, o que é muito mais importante que o letrismo. Quantos eruditos analfabetos não sabem ler os fenômenos da escrita viva do mundo diante de seus olhos?Eu abro meu voto para a linha que vem de Getúlio, de Brizola, de Lula: Dilma, apesar de achar que está marcando em não enxergar, nisto se parece com Caetano, a importância do Ministério da Cultura no Governo Lula. Nos 5 dedos da mão em que aponta suas metas, precisa saber mais das coisas, e incluir o binômio Cultura & Educação.Quanto a Marina Silva, quando eu soube que se diz criacionista, portanto contra a descriminalização do aborto e da pesquisa com células-tronco, pobre de mim, chumbado por um enfarte grave, sonhando com um coração novo, deixei de sequer imaginar votar nela. Fiz até uma cena na Estrela Brasyleira a Vagar - Cacilda!! para uma personagem, de uma atriz jovem contemporânea que quer encarnar Cacilda Becker hoje, defendendo este programa tétrico.Gosto muito de Dilma, como de Caetano, onde vou além do amar, vou pra Adoração, a Santa adorada dos deuses. Acho a afetividade a categoria política mais importante desta era de mudanças. "Amor Ordem e Progresso." O amor guilhotinado de nossa bandeira virou um lema Carandiru: Ordem e Progresso, só.Apreendi no livro de Chris Dunn que os americanos chamam esta categoria de laços homossociais, sem conotação direta com o homoerotismo, e sim com o amor a coisas comuns a todos, como a sagração da natureza, a liberdade e a paixão pelo amor energia, santíssima eletricidade. Sinto que nessas duas pessoas de que gosto muito, Caetano e Dilma, as fichas da importância cultural estratégica, concreta, da Arte e da Cultura, do governo Lula, ainda não caíram.A própria pessoa de Lula é culta, apesar de não gostar, ainda, de ler. Acho que quando tiver férias da Presidência vai dedicar-se a estudar e apreender mais do que já sabe em muitas línguas. Até hoje ele não pisou no Oficina. Desejo muito ter este maravilhoso ator vendo nossos espetáculos. Lula chega à hierarquia máxima do teatro, a que corresponde ao papa no catolicismo: o palhaço. Tem a extrema sabedoria de saber rir de si mesmo. Lula é um escândalo permanente para a mente moralista do rebanho. Um cultivador da vida, muito sabido, esperto. Não é à toa que Obama o considera o político mais popular do mundo.Caetano vai de Marina, eu vou de Dilma. Sei que como Lula ela também sente a poesia de Caetano, como todos nós, pois vem tocada pelo valor da criação divina dos brazyleiros. Essa "estasia", Amor-Humor, na Arte, que resulta em sabedoria de viver do brasileiro: Vida de Artista. Não há melhor coisa que exista!Lula faz política culta e com arte. Sabe que a cultura de sobrevivência do povo brasileiro não é super, é infra estrutura. Caetano sabe disso, é uma imensa raiz antenada no rizoma da cultura atual brazyleira renascente de novo, dentro de nós todos mestiços brazyleiros. Fico grato a Caetano ter me proporcionado expor assim tudo que eu sinto do que estamos vivendo aqui agora no Brasil, que hoje é um país de poesia de exportação como sonhava Oswald de Andrade, que no Pau Brasil, o livro mais sofisticado, sem igual brazyleiro canta:"Vício na fala Pra dizerem milho dizem mioPra melhor, dizem mióPara telha, dizem teiaPara telhado, dizem teiadoE vão fazendo telhado"SamPã, 6 de novembro, sob o signo de escorpião, sexo da cabeça aos pés, minha Lua de Ariano, evoéros!


José Celso Martinez Corrêa é ator, diretor e dramaturgo da Cia. Uzyna Uzona, sediada no Teatro Oficina, em São Paulo.

Ridendo castigat mores

O blog Classe Media way of life é hilário. Reproduzo esta ótima dica 4:
Tomar remédio para depressão

Uma coisa que o aspirante à Classe Média tem que saber: dizer a todos que leva uma vida difícil. Na lógica médio-classista, sofrer de estresse com o trabalho e martirizar-se pagando impostos para manter o carro e a empregada faz com que a pessoa emane respeito e admiração. Por isso, nada melhor do que tornar-se um deprimido para em seguida poder tornar pública esta condição.
A melhor maneira de mostrar a todos que você carrega o mundo nas costas é ser consumidor de antidepressivos de tarja preta. Ao comprar um destes, imediatamente você será associado a “trabalho” e “dignidade”. Os médio-classistas em volta construirão uma imagem mental de você, imaginando-o mantendo a caríssima escola dos filhos, o caríssimo curso de Yôga da esposa, a caríssima fatura do plano de saúde. E inclusive tomarão seu partido e ficarão indignados com a quantidade de impostos que você ainda tem que pagar.
Muitos médio-classistas moderados recorrem também a psicólogos. Isso ocorre quando o cidadão não tem coragem suficiente para recorrer à química, mas carrega a necessidade de gastar dinheiro para fazer a citada publicidade de sua “miséria”. Tal método com certeza atinge, de certa forma, este objetivo, mas o destemido que vai direto ao psiquiatra para buscar a receita de seu comprimido obtém ganhos muito mais expressivos em sua reputação.
É bom saber que antidepressivos também têm outra importante função, além de publicar seu sofrimento em troca de status social. O antidepressivo é uma espécie de “entorpecente legalizado”, algo como a mistura de maconha (para relaxar) com cocaína (para criar a necessidade de consumir sempre). Com ele, o médio-classista pode se drogar à vontade e, mesmo assim, continuar falando mal de traficantes e usuários das outras drogas que a lei não permite. Além do mais, se você é da Classe Média, você tem direito. Afinal, como bom observador, culto, inteligente e esclarecido que o membro da classe é, ele sabe que vida boa é a de pobre: não paga escola pros filhos, nem plano de saúde, nem prestações e manutenção de carros caros, e nem impostos. Logo, está aí uma grande justificativa pra tomar o remedinho: felicidade é coisa de pobre.

domingo, novembro 08, 2009

Acredite sempre nos seus companheiros




Ken Loach é um grande diretor do cinema inglês, fez o inesquecível “Terra e Liberdade”, sobre a guerra civil espanhola. Há tempos não via seus trabalhos. Este “À procura de Eric” é imperdível. Nesses tempos, sempre procuramos por esperança. E Loach, um cineasta de temas pesados, resolveu enveredar por ela. Não a toa faz uma crítica engraçadíssima aos livros de auto-ajuda, quando um grupo de carteiros – profissão do personagem principal- se reúne para relaxar.
Quando pensamos que a tragédia se espalhará pelo filme, há uma saída bem humorada, emocionante e cheia de esperança.
Eu não sabia quem é Eric Cantona, eu que não tenho a menor idéia sobre futebol. Depois soube que é um francês e foi camisa 7 do Manchester nos anos 90, um grande jogador e meio rebelde.
Cantona aparece para o carteiro, num momento desesperado da vida do xará, e vira seu conselheiro. Quando o carteiro pede para que ele diga qual o maior momento da sua vida profissional, e imagina que tenha um sido um gol, lembrando tim-tim-por-tim-tim cada jogada -- essa incrível capacidade que têm os homens de reproduzir jogadas, nem que sejam do século passado – Cantona diz que não foi um gol, mas um passe.
Uma deixa para Loach passar sua mensagem de fé na solidariedade. Parece que isso é verdade mesmo, um passe que resultou num gol de um tal Giggs. Quando o carteiro pergunta se o jogador não teve medo de que o companheiro não fizesse o gol, Cantona diz: “precisamos acreditar nos nossos companheiros. Acredite sempre nos seus companheiros”.
E é por aí que o carteiro se salva.
É bom ver isso, mesmo na ficção. Que acreditar nos amigos, nos companheiros, ainda é o caminho. Torço por isso.






Manifestações a favor da minissaia

Do blog É tudo política

Alunos da Uniban preparam uma manifestação pró minisaia na unidade de São Bernardo, a mesma que Geisy Arruda viveu momentos de terror ao ser hostilizada por mais de 700 pessoas quando chegou à aula trajando um minivestido pink. O fato levou à sua expulsão da instituição de ensino. O manifesto, que pode ocorrer também em outras unidades da Uniban, é previsto para a próxima sexta-feira, dia 13.

A magnífica criatura que preside a Uniban


Leio na internet que o magnífico reitor da Uniban, Heitor Pinto e Silva casou-se em dezembro de 2007, com direito a matéria na revista Caras. Trajando um modernoso smoking de comprimento acima do habitual, um redingote- designação tradicional para vestido feminino- e sapatos Manolo Blanik de “prepúcio de baleia branca”.

sábado, novembro 07, 2009

Aluna da Uniban é expulsa: outro tijolo no muro

estadao.com.br

SÃO PAULO - A Universidade Bandeirante informou em anúncio publicado em jornais paulistas neste domingo, 8, que decidiu expulsar a aluna Geisy Arruda de seu quadro discente. A estudante do curso de Turismo sofreu assédio coletivo no último dia 22 de outubro por ir ao campus de São Bernardo do Campo da faculdade com um vestido curto. O episódio ganhou repercussão na internet após vídeos do tumulto serem postados no 'You Tube'.

No anúncio publicitário, intitulado ' A educação se faz com atitude e não com complacência' a universidade diz que tomou a decisão após uma sindicância interna constatar que a aluna teve uma postura incompatível com o ambiente da universidade, frequentando as dependências da unidade em trajes inadequados. Para a Uniban, Geisy provocou os colegas ao fazer um percurso maior que o habitual, desrespeitando princípios éticos, a dignidade acadêmica e a moralidade.A universidade afirma ainda que foi constatado que "a atitude provocativa da aluna resultou numa reação coletiva de defesa do ambiente escolar". Ainda assim, o conselho superior declarou na nota que suspendeu temporariamente os alunos envolvidos e identificados no incidente. A Uniban também criticou o comportamento da imprensa na cobertura do caso. Segundo a universidade, a mídia perdeu a oportunidade de contribuir para um debate 'sério e equilibrado' sobra ética, juventude e universidade.





Heitor Pinto é o magnifico reitor, que começou com um cursinho nos anos 70 na zona norte, comprou colégio, fundou faculdade e virou universidade. A trajetória do crescimento do ensino privado, que veio a dar nisso que vemos hoje.

Na avenida Braz Leme, a Uniban funciona no mesmo prédio de uma revendedora de carros.

Em São Bernardo, no ex- centro de pesquisas da Ford.

O homem gosta de carro e acha que é a mesma coisa que gente.

Com disse o amigo

Henrique Marques Porto

"As inscrições para o vestibular da Uniban estão abertas.Meninas e meninos! Não se inscrevam!Quase ia escrevendo “unibando” pensando no reitor e em quem mais decidiu pela expulsão da moça. Inacreditável que isso ocorra em nossos dias.A propósito, o reitor da Uniban é o Prof. Dr. Heitor Pinto Filho. Mensagens à magnífica criatura podem ser enviadas para o e-mail reitoria@uniban.br

Como disse o Zé Eduardo:

"Para mim o que está em jogo nesse caso não tem nada a ver com o comprimento do vestido. É, de novo, a liberdade da mulher. Até agora por um bando de arruaceiros de opção sexual duvidosa. Mas agora é muito mais grave. Por uma instituição que se diz dedicada a formar jovens. Ela os forma ou elas os castra?"

Ele também acha que as mulheres deveriam se recusar a entrar na Uniban, e perguntou se nenhum movimento feminista encabeçaria?

Não sei se existe organização para isso, como nos anos 70, em plena ditadura, e quando não se tentava estuprar alunas de minissaia.

Não sei.

sexta-feira, novembro 06, 2009

Lévi-Strauss e o budismo

Durante três anos frequentei um curso de budismo no templo Higashi Honganji, na avenida do Cursino, em Sampa, com aulas de ilustrissimos monges, entre eles o professor Ricardo Gonçalves.
Que bela e delicada filosofia a da Verdadeira Escola da Terra Pura.
Leio em uma lista do Budismo Shin a referência a um trecho interessantisismo de Lévi-Strauss sobre o budismo:


"Caríssimos Irmãos no Dharma

A República Acadêmica Mundial está de luto: o implacável vento da impermanência arrebatou de seu convívio, na noite de sábado para domingo, um de seus menbros mais ilustres, o antropólogo Claude Lévi-Strauss (1908-2009). Além de ter sido o pai da Antropologia e Estrutural, um importante precursor do pensamento ecológico e ambientalista contemporâneo e um grande amigo do Brasil, onde iniciou sua carreira de pesquisador e professor lecionando Sociologia na Universidade de São Paulo entre 1935 e 1938, ele foi também, o que poucos sabem, um dos mais lúcidos intérpretes ocidentais do budismo Ele entendeu o budismo muito melhor do que muitos orientalistas profissionais. Ele valorizava o budismo por ser uma religião eoológica que não estabelece uma dicotomia radical entre Homem e Natureza.

No último capítulo de seu livro "Tristes Trópicos" (1955) desenvolve ele importantes considerações sobre o budismo. Apresento abaixo um breve trecho, à guisa de ilustração:

"Os homens fizeram três grandes tentativas religiosas para se libertarem da perseguição dos mortos, da maleficência do Além e das angústias da magia. Separados pelo intervalo de aproximadamente meio milênio, conceberam sucessivamente o budismo, o cristianismo e o islamismo; e é impressionante que cada etapa, longe de marcar um progresso em relação à precedente, antes testemunha um retrocesso.

Não há vida futura para o budismo; nele tudo se reduz a uma crítica radical de que a humanidade nunca mais deveria mostrar-se capaz, à qual o sábio acede, numa recusa do sentido das coisas e dos seres: disciplina que anula o universo e se anula a si própria como religião. Cedendo novamente ao medo, o cristianismo restabelece o outro mundo, as suas esperanças, ameaças e o seu juízo final. Ao islamismo só resta encadeá-lo a esse mundo: o mundo temporal e o mundo espiritual acham-se reunidos...
Com efeito, que outra coisa aprendi dos mestres que escutei, dos filósofos que li, das sociedades que visitei e desta própria ciência de que o Ocidente extrai o seu orgulho senão fragmentos de lições que, unidos uns aos outros, reconstituem a meditação do Buda junto da árvore? Todo o esforço para compreender destrói o objeto pelo qual nos tínhamos interessado, em proveito de um objeto de natureza diversa; exige de nossa parte um novo esforço que o elimina, em proveito de um terceiro, e assim por diante até que tenhamos acesso à única presença duradoura, que é aquela em que se desvanece a distinção entre o sentido e a ausência de sentido; a mesma de onde partíramos.

Eis que já são decorridos 2.500 anos desde que os homens descobriram e formularam essas verdades. Desde então, nada descobrimos, a não ser - experimentando, umas após outras, todas as portas de saída - outras tantas demonstrações suplementares da conclusão à qual teríamos querido escapar.
(Claude Lévi-Strauss - "Tristes Trópicos", Lisboa, Edições 70, pags. 387-390)

Que o Buda Amida acolha o Velho Mestre na Luz Serena de sua Terra Pura Ocidental!
NAMU AMIDA BUTSU
Gasshô,Shaku Riman

Luar de 25 de janeiro




Ô grande leão

solto no vale debaixo do Viaduto
sacode a juba mansa bafejada por Deus
e derrama nas pessoas sobre o asfalto seco
o mel da harmonia
como se leão não fora
mas floripôndio da praça de Andradina
E nos cem mil corações o mel se instala
e ficamos tão doces, tão bons e tão belos
quanto sempre poderíamos ser

Essa perspectiva nos ilumina

A lua despe a cidade dos maus humores
de tudo quanto é estúpido, cruel, triste, desurbano

Ô grande leão
floripôndio
luar de janeiro
transcidadão

Nós velamos por você nestas noites brasileiras

quinta-feira, novembro 05, 2009

Os imigrantes que voltam e o sonho brasileiro

Deu no jonal português Público:

Brasileiros são três quartos do total
Triplicaram os pedidos dos imigrantes que querem regressar ao país de origem
05.11.2009 – 07:36 Por António Marujo
Aumenta de dia para dia o número de imigrantes brasileiros que querem regressar ao seu país. Este ano, só até final de Outubro, a Organização Internacional para as Migrações (OIM) recebeu, no escritório de Lisboa, um total de 854 pedidos de retorno ao país de origem – mais do triplo dos que se registavam em 2006. Desses, 653 são de brasileiros.


Conversei em junho no avião de volta de Madri para Sampa com um brasileiro que há 5 anos trabalha como garçon em Londres. Chegou a tirar R$ 5 mil por mês, mas com a crise mundial, tinha de trabalhar em dois empregos e não chegava à metade do salário.
Diz que vivia das gorjetas, pagava até aluguel com elas, mas agora...
Voltava paa visitar a familia no interior do Paraná, ainda ia pegar um ônibus e viajar mais 12 horas, além das benditas 12 horas sacolejantes no avião.
Ficou felicissimo quando Obama elogiou Lula e saiu na imprensa mundial. Não imaginamos aqui o que significa isso para um imigrante no primeiro mundão.
Agora pensa em abrir um bar ou lanchonete na sua cidade, que esqueci o nome. Também casou por lá, não por amor, mas para tirar o visto. Precisam morar ambos, mesmo separados, no mesmo lugar por três anos e nosso compatriota está quase conseguindo.
Ele falava naturalmente no negócio dos casamentos entre imigrantes do mesmo país: "O pessoal vai passando, fulana quer casar, e daí se faz o negócio". E quando soube da minha dupla cidadania, não entendeu por que eu não me animava com um negócio assim, de cerca de 7 mil libras....
Não me lembro o nome do brasileirinho jovem e bonito. Mas com essa notícia, vejo que outros tantos estão pensando como ele, mais em voltar do que em ficar. Sabe lá como vão se virar por aqui, mas já mandaram um bom dinheirinho pra família e muitos podem abrir seu negócio, o sonho brasileiro de viver sem patrão.
Anos antes- decada de 1990- também conheci numa viagem a Cuba alguns brasileirinhos mineiros- garçons, pedreiros, operarios. Calados.Voltaram no mesmo avião, 10 dias depois e disseram que na verdade, queriam fugir pros EUA via Cuba, vejam só que idéia. Não conseguiram e , por nao entender uma palavra de espanhol, também quase nem comeram nada, só pizza.

O aivão tinha uma parada na Venezuela, onde ficamos horas. Nunca mais vi os mineirinhos, que mostravam o dinheiro que tinham pra quem quisesse ver, e talvez algum malandro venezuelano tivesse visto. O que teria acontecido aos rapazes, tão humildes?
Eta mundo onde as mercadorias têm trânsito livre ( free market, para a ativista e grande jornalista Naomi Klein é uma conspiração entre governos e corporações) mas não os homens.
Tsc.

quarta-feira, novembro 04, 2009

Vida e escritura

Caetano Veloso escevendo sobre Lévi-Strauss diz que sentia uma certa tranquilidade por saber que, mesmo distante o antropólogo estava por aí, como Niemeyer e sua mãe, Canô, ambos com mais de 100 anos.
Os longevos nos dão esperança, assim como minha tia Judith, 96 anos , especialmente se são pessoas legais.
Bob Lester, ex-integrante do bando da Lua, que acompanhava Carmem Miranda, apresentou-se na TV ontem tocando castanholas e sapateando, uma figura também aos 96 anos.

Mas eu queria dizer é que sinto essa certa tranquilidade quando passo semanalmente na Pedroso de Moraes e vejo seu Raimundo Arruda Sobrinho, que vive debaixo dos seus plásticos, no canteiro, escrevendo sob sol e chuva.
Ele é um dos escritores de Sampa, certamente o que mais leva a sério a missão.

terça-feira, novembro 03, 2009

Viva Lévi-Strauss

Morreu mais um mestre. Ano passado ele fez 100 anos. Esta é uma matéria minha publicada pelo caderno Eu & do Valor Econômico.Olhem só o que ele dizia, há mais de 20 anos:
Constatando que não vivemos em uma época brilhante em termos intelectuais declarou, há mais de vinte anos, que “existem períodos particularmente notáveis, do ponto de vista da produção intelectual, e períodos de vazio, e acredito que a atual fase é do segundo tipo”.

Os 100 anos de um mestre

O antropólogo que ajudou a desvendar mitos da América recebe homenagens na sua travessia do século

Por Elizabeth Lorenzotti
28, 29 e 30 de novembro de 2008

Até o ano passado o mestre ainda usava o metrô para suas atividades, entre elas participar das reuniões da Academia Francesa, da qual é membro desde 1973. Nesta sexta-feira, 28, mais recolhido (após uma queda locomove-se em cadeira de rodas), porém lúcido como sempre, o “arqueólogo do espaço”, como ele se definiu em Tristes Trópicos (1955) -- a clássica narrativa de sua viagem de estudos entre os índios no Brasil -- o viajante que detestava viagens completa 100 anos de prodigiosa travessia no breve século 20.
O grande pensador recebe, hoje, mais homenagens em Paris: um dia inteiro dedicado a Claude Lévi-Strauss no Museu du Quai Branly. E recentemente obteve mais uma consagração: foi incluído na Biblioteca da Pléiade, a coleção mais prestigiosa da França, que publica grandes obras de referencia do patrimônio literário e filosófico mundial.
Belga, filho de pais franceses, iniciou sua carreira universitária, aos 26 anos, no Brasil, nomeado professor da recém-criada Universidade de São Paulo (1935-1938).
Ele mesmo declarou que, durante aquele período “o que mais me interessava não era dar aulas, mas fazer pesquisas de campo. Então, aproveitava minhas férias para viajar. Na primeira vez, conheci pequenas populações de língua tupi na região Sul, Paraná e Santa Catarina. Depois aproveitei três meses de férias e passei uma temporada maior com os caduvéus, na fronteira com o Paraguai, e outra com os bororos, no centro de Mato Grosso. Por fim, a terceira missão, que preparei durante todo um ano, me levou às terras dos nhambiquaras e outras populações que vivem no norte de Mato Grosso”. As expedições foram patrocinadas pelo Departamento de Cultura de São Paulo, dirigido por Mário de Andrade.
Há uma versão de que Lévi-Strauss teria sido demitido da USP -- onde mais tarde recebeu o título de doutor honoris causa -- por ser comunista. O professor Antonio Candido de Mello e Souza, que estudou nas primeiras turmas da Filosofia da Universidade, nega: “A direção da faculdade achava que ele devia dar aulas, e não fazer suas pesquisas viajando. Ouvi de alguém que Julio Mesquita pensava o mesmo. Strauss era amigo do Paul Rivet, etnólogo francês que também estava no Brasil, um socialista, aliás amigo de Mesquita.Ele foi simpático ao socialismo, mas não era comunista”.
De volta à Europa convulsionada, em 1941 suas pesquisas renderam um convite para dar aulas na New School for Social Research de Nova York, onde também escapou à perseguição nazista. Lá conheceu a lingüística estrutural de Roman Jakobson, sua mais importante influência teórica. Em 1948 defendeu tese de doutorado, publicada em 1949: As estruturas elementares do parentesco, marco fundador da antropologia estrutural.
Segundo o antropólogo, o estruturalismo “é um esforço para aplicar, na medida do possível, o pensamento científico àquelas áreas que chamamos, impropriamente, de ciências sociais, ou ciências humanas. Digo impropriamente porque elas não são, nem nunca serão, ciências. Um etnólogo, por exemplo, está envolvido demais com o objeto de seu estudo para abandonar os preconceitos e as formas de pensamento que herdou. Isso se explica, no fundo, pelo fato de que as chamadas ciências sociais e ciências humanas não são coisas que se possam isolar do mundo real. Podemos progredir um pouco em seu conhecimento, mas isso é tudo”.
Na década de 1960 o estruturalismo virou moda, segundo Lévi-Strauss, “graças a uma série de mal-entendidos. As pessoas imaginavam que se tratava de uma nova filosofia para a era industrial e tecnocrática, e poderia resolver todas as questões do mundo...”.
Desvendador do Outro por excelência dos europeus, os ameríndios, Lévi-Strauss concluiu que as sociedades estudadas pela etnologia seriam “frias” em relação às modernas. “São sociedades que produzem extremamente pouca desordem, isso que os físicos chamam de “entropia”, e têm uma tendência a se manter indefinidamente no seu estado inicial, o que aliás explica que para nós elas se pareçam como sociedades sem história e sem progresso”. Mas observou que as sociedades modernas precisariam incorporar algumas lições das primitivas, para o bem de ambas.
Hoje, especialistas apontam que o desenvolvimento de sua obra se dá, na realidade, no Brasil, principalmente no trabalho do antropólogo Eduardo Viveiros de Castro, professor do Museu Nacional, no Rio de Janeiro.
Para Beatriz Perrone-Moisés, professora do Departamento de Antropologia da USP, “as idéias de Lévi-Strauss continuam bem vivas, gerando conhecimento e sugerem múltiplas possibilidades a serem ainda exploradas”.
Ela tem traduzido, com os cumprimentos do mestre, desde 2004, pela Cosac Naify, a edição integral da tetralogia Mitológicas, começando por O cru e o cozido. Ponto culminante de sua obra, Mitológicas analisa um conjunto de 813 mitos de diferentes povos indígenas do continente americano. Em 2005 foi lançado o segundo volume, Do mel às cinzas, e em 2006, A origem dos modos à mesa. Para 2009 está previsto o lançamento do último volume, O homem nu, estes três traduzidos no Brasil pela primeira vez.
No dia 11 de dezembro, no fim do ciclo Os sentidos de Lévi-Strauss, promovido pela USP, será lançada nova tradução de Antropologia estrutural, publicado originalmente em 1958. Nos textos, escritos entre 1944 e 1956, Lévi-Strauss faz relações da antropologia com a lingüística, a psicanálise e a arte, e analisa o ensino da disciplina. Também no dia 11, no Instituto de Estudos Brasileiros, a ex-aluna de Lévi-Strauss, Manuela Carneiro da Cunha, do Departamento de Antropologia da Universidade de Chicago falará sobre O efeito Lévi-Strauss nos EUA e no Brasil, encerrando o ciclo iniciado dia 9 de outubro.

Observador atento em todos os sentidos, é dele a única apreciação contrária que se tem notícia de um acidente geográfico cantado e decantado: a Baía de Guanabara pareceu-lhe uma boca banguela.
Em entrevista a Perrone-Moisés em 1998, aos 90 anos, o etnólogo lembrava-se do perfume dos abacaxis no rio Madeira e de vários cheiros do Brasil: de fumo de rolo, da pinga, da rapadura. Na segunda e última viagem ao país, em 1985, evocou a qualidade muito especial do ar paulistano, ao mesmo tempo combinando altitude e clima tropical. No belo livro Saudades do Brasil (1995), ele conta, em um pé de página, que seus ouvintes gargalharam: “Mergulhados cotidianamente no inferno paulista da poluição, não o identificavam mais como tal”.
Constatando que não vivemos em uma época brilhante em termos intelectuais declarou, há mais de vinte anos, que “existem períodos particularmente notáveis, do ponto de vista da produção intelectual, e períodos de vazio, e acredito que a atual fase é do segundo tipo”.
Que não lhe perguntem, porém, como sair dela, advertiu o mestre. ”Eu não sei”.