segunda-feira, abril 24, 2006

Caio Fernando Abreu- 1

Acabo de ver na TV Cultura uma linda pequena matéria sobre ele, no programa Entrelinhas. Todos os que gostávamos de literatura e vivemos na ditadura conhecemos Caio Fernando Abreu. Principalmente pelo livro de contos Morangos Mofados, de 1982, que marcou a nossa geração.Eu o vejo, bem magro, em Porto Alegre (era gaúcho) onde foi morar, no fim, e onde morreu aos 47 anos. Diz que, se não fosse escritor, gostaria de ser jardineiro. E que plantou no seu jardim duas roseiras, uma de rosas vermelhas, Odete, em homenagem a Odete Lara, e outra, brancas, a Ligia Fagundes Telles. Amava as mulheres, especialmente as que faziam arte. Me ocorre, também, que os homossexuais, esse paradoxo, em geral amam muito as mulheres, tudo o que eles queriam ser...

3 comentários:

Anônimo disse...

Oi, tudo bem?

Li seu post na comunidade de Caio no Orkut e achei o link para seu blogue.

Infelizmente não vi a matéria com o escritor, e lamento muito por isso. Gostei do seu post, só que uma coisa me incomodou, entretanto. Você diz ser um paradoxo o fato de homossexuais amarem as mulheres. E acrescenta: "tudo o que queriam ser".

Quem disse para você que homossexuais querem ser mulheres? O que caracteriza a homossexualidade é a atração a pessoa do mesmo sexo e não a vontade de ser do sexo oposto. Achei sua visão muito limitada nesse sentido, o que é uma lástima, sendo que vem de uma leitora do grandioso Caio.

Abraço
MARCOS

Anônimo disse...

Marcos

Quando falei nisso, estava pensando que é o feminino aí que se ama.
Talvez eu tenha me expressado mal.
Obrigada por seu comentário, beijos
Elizabeth

Carol disse...

É! Não gostei do que disse sobre os homessexuais, no mais, ficou lindo!