terça-feira, junho 07, 2011

Rimbaud, aos 21 anos



De Iluminações

BOTTOM

Sendo a realidade espinhosa demais para meu grande caráter, - eu me encontrava, contudo, em casa de Madame, como grande pássaro azul cinza erguendo-se rumo às cantoneiras do forro e arrastando a asa nas sombras do anoitecer.
Eu fui, ao pé do baldaquim sustentando suas jóias adoradas e suas obras primas físicas, um grande urso de gengivas violetas e pelo grisalho de desgosto, os olhos nos cristais e nas pratarias dos aparadores.
Tudo se fez sombra e aquário ardente. Ao amanhecer – aurora batalhadora de junho, - corri pelos campos, asno, trombeteando e brandindo minha queixa, até que as Sabinas do subúrbio viessem se jogar em meu peitoral.

2 comentários:

Poesia Cibernetica disse...

Muito bom, hein?

abraços

http://poesiasciberneticas.blogspot.com/2011/07/o-oraculo-de-rimbaud.html

Elizabeth disse...

mais que demais