segunda-feira, abril 05, 2010

IMS/Rio recebe acervo de Tinhorão

Capa- Caricatura por Amilde Pedrosa, o Appe, presenteada a Tinhorão em 1965.


Em evento de comemoração, historiador da cultura urbana lança dois livros, participa de bate-papo e abre exposição com documentos raros sobre a história da música popular brasileira. Biografia do jornalista é lançada na mesma noite.

O Centro Cultural do Instituto Moreira Salles-RJ (r. Marquês de São Vicente, 476, Gávea) realiza, no dia 13 de abril, às 19h30, um evento que marca a chegada do acervo do jornalista José Ramos Tinhorão à Reserva Técnica Musical no Rio de Janeiro. O acervo, que passava pelo processo de catalogação na sede do IMS em São Paulo desde 2001, é composto por cerca de 6,5 mil discos de 76 e 78 rpm, 6 mil discos de 33 rpm, fotos, filmes, scripts de rádio, cartazes, jornais, revistas, rolos de pianola, folhetos de cordel, press releases de gravadoras e uma biblioteca com mais de 14 mil obras especializadas na cultura popular urbana, tema central de toda sua obra. Até o final de 2010, todo o material será disponibilizado para consulta.

Na mesma noite, haverá a abertura de uma exposição com curadoria do próprio Tinhorão que ficará aberta ao público até dia 16 de abril. A mostra tem o objetivo de ilustrar o que o jornalista define por acervo temático: um banco de informações documentais, literárias, iconográficas e sonoras capazes de atender à curiosidade ou busca de suporte para a compreensão da cultura popular urbana, a partir do século xvi. Serão expostos os primeiro jornais e folhetos de modinha que se publicaram no Brasil, uma série de fotos raras e inéditas de compositores e cantores como Baiano, Getúlio Marinho, Pixinguinha, entre outros, além de fotos originais de Noel Rosa feitas em estúdio. Os visitantes também poderão conferir discos de samba anteriores ao famoso “Pelo telefone”, de Donga, o primeiro registro fonográfico de Carmen Miranda, “Não vá s’imbora”, e a mais rara gravação de Francisco Alves, “O pé de anjo”. Um dos destaques da exposição são as peças que mostram as facetas artísticas pouco conhecidas do pintor Di Cavalcanti, que também foi ilustrador de propagandas em revistas, chargista político da Revista Fon Fon, capista de livros de Manuel Bandeira e João do Rio e até letrista da música “Rabo de peixe”, uma parceria com Alcir Pires Vermelho em 1956.

Também será realizado um bate-papo com o jornalista sobre seu acervo e o lançamento dos seguintes livros de José Ramos Tinhorão: A música popular que surge na era da revolução (Editora 34) e Crítica cheia de graça (Empório do Livro), além da biografia Tinhorão, o legendário, de Elizabeth Lorenzotti (Imprensa Oficial do Estado de São Paulo).

Sobre José Ramos Tinhorão
Nasceu em Santos-sp, em 1928, e criou-se no bairro de Botafogo, no Rio de Janeiro. Em 1968, mudou-se para São Paulo, onde reside até hoje. É autor de uma extensa e diversificada obra sobre temas relacionados à música brasileira. Estudante da primeira turma de jornalismo do país, colaborava desde o primeiro ano, 1951, como repórter free-lancer da revista A Semana (Rio de Janeiro) e da Uairá (Curitiba). Em 1953, ingressou como jornalista profissional no extinto Diário Carioca. Cinco anos depois, passou para o Jornal do Brasil, onde acumulou as funções de redator e colaborador dos suplementos “Estudos Brasileiros” e “Caderno B”. Trabalhou também para os jornais Correio da Manhã, Jornal dos Sports, Última Hora e O Jornal; as revistas Singra, O Cruzeiro, Veja e Nova; e as televisões Excelsior, Globo, tve (rj) e Cultura (sp). Colaborou ainda com O Pasquim e as revistas Senhor, Visão e Seleções, entre outras.

Tinhorão, o legendário – Elizabeth Lorenzotti

Em São Paulo, o lançamento será dia 28 de abril, das 18h30 às 21h30, na Livraria da Vila, Rua Fradique Coutinho,915.

Escrito pela jornalista e escritora Elizabeth Lorenzotti para a coleção Imprensa em Pauta, da Imprensa Oficial do Estado de São Paulo, o livro conta a trajetória única do jornalista que foi contratado como estagiário no extinto Diário Carioca, na década de 1950, como exímio escritor de textos-legendas – daí o apelido que lá ganhou –, suas passagens por inúmeras redações – Jornal do Brasil, Correio da Manhã, O Cruzeiro, tv Globo, Veja, entre outras –, sua transformação em crítico polêmico de mpb, até seguir carreira como historiador da cultura urbana e se transformar em lenda urbana. O livro trata de seus embates com o pessoal da Bossa Nova – que sempre comparou a um carro montado no Brasil, mas de origem norte-americana –, de seu método, o materialismo dialético, e de sua persistente dedicação à pesquisa, que nunca recebeu financiamento. Também recorda o clima das antigas redações, povoadas por inesquecíveis nomes do jornalismo, com os quais conviveu. Como acentua Janio de Freitas na contracapa, seu colega e amigo desde o Diário Carioca: “uma pessoa singular, pela inteligência brilhante, pelo humor refinado, a cultura e a audácia intelectual, a coerência e o caráter”.

6 comentários:

Cloaca News disse...

Vou querer o meu com dois autógrafos. Parabéns, Beth!

Liu disse...

Uau!
Finalmente o artefato pronto e acabado!
Capa, título, ilustração, nominho da autora em cima.
Tinhorão lenda urbana, é? O homem vai ficar uma fera, hahá!

Elizabeth disse...

Obrigada sr. Cloaca. O Tinhorão vai cansar de tanto autografar: são três livros...Mas ele merece a festa.

Elizabeth disse...

E Liu, fera nada, ele ri.

Cloaca News disse...

Meus dois autógrafos: um do Tinhorão e um da Elizabeth. Capice?

Elizabeth disse...

sim, sr C, eu entendi, é só aparecer e terá seus autógrafos,