sábado, março 20, 2010

Programa Antitabagismo do HU-USP faz política partidária(Atualizado)

He wants you- onde quer que você esteja!

Então resolvi. Há anos paro de fumar e volto, e queria parar de vez. Me recomendaram o Programa Antitabagismo do Hospital Universitário da USP, já que pertenço àquela comunidade. Me inscrevi e estava lá com a maior boa vontade, na primeira palestra, segunda-feira, dia 15, pouco depois das 8 da manhã.
Cheguei um pouco atrasada, tentanto encontrar vaga para estacionar- aliás, na semana anterior, quando fui me inscrever, roubaram o rádio do meu carro nos arredores do HU. Talvez já fosse um sinal...

Bom, o médico já estava exibindo na tela os horrores do fumo, e eu, preocupada com meus horários, perguntei à psicóloga ao lado quanto tempo durava a palestra. O médico viu e comentou: "Já tem gente aqui querendo saber quando acaba para fumar!"
"Não, meu senhor, minha preocupação é com o trabalho", respondi.
Pensei: vou descartar os horrores do fumo, que já conheço todos, tantas matérias escrevi sobre o tema, descartar a grosseria do palestrante metido a engraçado e aproveitar o atendimento médico e psicológico gratuitos. Na platéia, em sua maioria, humildes funcionários da USP.

Lá pelo meio o médico citou meu amigo Paulo Cesar Bontempi, que trabalha na secretaria da ECAUSP, e parou de fumar no programa, há cinco meses. Eu comentei: "É verdade, no entanto Paulinho me disse que está revoltado, e se sente muito mal, pior do que quando fumava, e só entrou no programa por causa da proibição do governador de se fumar em qualquer recinto fechado deste Estado".
O médico fez que não ouviu.

Prosseguiu com suas imagens tenebrosas até chegar na do governador Serra, nosso Guru Mental, Espiritual e Corporal- como afirma o hilário professor Hariovaldo de Almeida Prado-todo bonitinho, em sua heróica luta contra o fumo. E afirmou:

"Sou apolítico, não sou a favor de Serra nem contra Lula".

Para exibir, em seguida, a imagem de Lula fumando. Tirada quando uma repórter o flagrou , tempos atrás, fumando no gabinete e ele respondeu algo como "eu posso fumar na minha sala".

Completou o médico: "Mas o Lula teve de parar de fumar recentemente porque ficou com pressão alta. E além disso, ele bebe...."

Soube depois que o médico "apolítico "chama-se João Paulo Becker Lotufo, é pediatra, superintendende do Hospital Universitário (HU) da USP, responsável pelo Projeto Antitabagismo do mesmo Hospital. (Retificando: o médico NÃO é superintendente do HU).

Declaro aqui que o dr. Lotufo utiliza indevidamente um Programa de um hospital público para fazer política partidária, certamente a mando de seu Guia e Guru não fumante. E que está, sim, do lado dele, e portanto, não é apolítico.

Que as pessoas que vão lá estão interessadas em parar de fumar, estão necessitadas de ajuda, e não devem ser objeto de política partidária. Não estão interessadas se o político X não fuma ou se o presidente fuma.

Declaro, também, que o dr. Lotufo é responsável por eu ter desistido do seu Programa, psicologicamente afetada.Que é mal intencionado e tenta usar os pacientes para fins político-partidários. Só isso já seria um bom caso de (falta de) ética a ser estudado pelo Conselho Regional de Medicina.

E que recorrerei ao meu médico particular para parar de fumar.Ele não me falará de política partidária, não tentará fazer minha cabeça, mas cumprirá sua missão simplesmente médica.

Que, aliás, é o que deveria fazer o dr. Lotufo, cujo salário é pago por nós, o povo do Estado de São Paulo.

Médico do HU responde
Cara blogueira (não encontrei seu nome no blog),Encontrei este seu comentário pois sou funcionário do HU e programo o Google para encontrar as notícias do HU.Preciso fazer um pequeno reparo:O Dr João Paulo Becker Lotufo, responsável pelo Programa Antitabágico do HU, é um excelente médico pediatra da instituição que, com seu programa, já deve ter aumentado a sobrevida e a qualidade de vida de um número de pessoas muito mais significativo do que a maioria dos médicos, cujo enfoque é somente tratar das complicações do fumo.O superintendente do HU se chama Paulo Andrade Lotufo, que é clínico e também é titular de Epidemiologia da Faculdade de Medicina da USP. Em sua área, ele conta as vidas dizimadas pelo cigarro e dá subsídios para que o Dr João Paulo continue sua luta.Apesar do nome parecido, não são parentes - talvez longinguos, mas não se conheciam antes de se cruzar no meio médico.Sou Carlos Marcello,médico clínico do HU, ex-fumante de quase 2 maços por dia - parei há 26 anos. Já assisti à palestra do Dr João Paulo e a considero excelente. Palestra motivacional deve servir para sensibilizar o maior número de pessoas possível e não a pessoas individualmente.Da mesma forma como você se equivocou ao confundir o pediatra com o superintendente, creio que você se equivocou com suas conclusões sobre o excelente trabalho do Dr João Paulo que é pessoa séria e extremamente bem intencionada. Não merecia o seu comentário.Atenciosamente
Carlos Marcello

Prezado Carlos Marcello

Meu nome, como você pode ver em Perfil, acima à direita, é Elizabeth, e se clicar no livro “Que falta ele faz!” verá que me chamo Elizabeth Lorenzotti e sou jornalista.
Obrigada pela informação: então o dr. João Paulo Becker Lotufo não é superintendente do HU.Retifico.
Mas absolutamente não retiro o que disse. O sr. disse que o dr. não merece meu comentário.Quem não merece o aporte político-partidário do Programa somos nós, as pessoas desavisadas, que chegam a uma instituição pública em busca de ajuda, e são envolvidas em informações que absolutamente não nos dizem respeito.
Folgo em saber que o senhor, médico e funcionário do HU, parou de fumar há 26 anos.Que sorte! Também é uma agradável surpresa saber que existe um funcionário público zeloso assim, (“ sou funcionário do HU e programo o Google para encontrar as notícias do HU”), que em plena manhã de domingo está trabalhando.

Mas não tente me desqualificar, dizendo que assim como me equivoquei com a função do Lotufo, tambem me equivoquei com o restante. Distorcer não é bonito.

Saudações


Resposta de Paulo Cesar Bontempi

Como o tal funcionário citado na palestra e na matéria (Paulo Cesar) devo concordar integralmente com Elizabeth Lorenzotti, jornalista séria e competente que conheço de longa data. Corrigindo a informação do "superintendente", pois fui eu que lhe passei essa informação equivocadamente. Esse programa realmente esbarra na propaganda e panfletagem partidária. Não parei de fumar por causa desse programa, porque acho a sistemática completamente equivocada, além de tudo o que já foi dito. De motivacional não tem nada. A preocupação dos profissionais não é com os fumantes, e sim com os não-fumantes, e aí mais uma vez o partidarismo e moralismo camuflados se apresentam. Só parei de fumar por causa dessa lei ridícula, desse candidato a presidente ridículo e do terrorismo ridículo a que nós fumantes vivemos expostos. Cansei disso, parei de fumar pelo mesmo motivo que me motivou a começar a fumar (PORQUE EU QUIS - por prazer, e nessas condiçoes não fumar em São Paulo virou "prazer"). Quando as pessoas voltarem a ter liberdade neste estado, volto a fazer o que sempre quis e o que sempre tive vontade de fazer e nunca me fez mal. Porque, agora sim, eu me sinto pessimamente mal e não acho que a minha vida ou minha saúde melhoraram por causa do não fumar. E agora que preciso, ninguém me oferece ajuda ou pergunta como estou, se estou precisando de algo ou sequer se estou bem. O que importa é que apenas sou mais um número positivo nas estatísticas dos médicos e psicólogos do programa. Para eles eu sou apenas um doente, bandido, criminoso, quiçá um traficante de drogas e assassino do pulmão alheio - que se "regenerou" ou se "converteu".
Mas porque os governos e programas anti-tabagistas nada fazem contra os verdadeiros traficantes (fabricantes e comercializadores) e contra os criminosos que se utilizam do dinheiro desse tráfico (o próprio governo e, dentro dele, o Sr. Serra, que jamais terá meu voto para nada!). E vivas à democracia!
Antes que me esqueça, tenho que reconhecer e tecer meus agradecimentos à enfermeira Lazinha, do Programa, a única pessoa que me tratou como cidadão (e não como doente ou criminoso) e realmente tentou me ajudar no que lhe era possível. A ela, e somente a ela, meus agradecimentos. E à Elizabeth peço minhas sinceras desculpas por tê-la colocado nessa fria. Achei que pudesse ajudá-la mais do que ajudou a mim!
---------

Dá-lhe cidadão Paulinho.Não me colocou em fria alguma, apenas me deu a oportunidade de denunciar mais esse aproveitamento do espaço público para fins políticos oportunistas. Estou com você, abração.

21 comentários:

Carlos Marcello disse...

Cara blogueira (não encontrei seu nome no blog),
Encontrei este seu comentário pois sou funcionário do HU e programo o Google para encontrar as notícias do HU.
Preciso fazer um pequeno reparo:
O Dr João Paulo Becker Lotufo, responsável pelo Programa Antitabágico do HU, é um excelente médico pediatra da instituição que, com seu programa, já deve ter aumentado a sobrevida e a qualidade de vida de um número de pessoas muito mais significativo do que a maioria dos médicos, cujo enfoque é somente tratar das complicações do fumo.
O superintendente do HU se chama Paulo Andrade Lotufo, que é clínico e também é titular de Epidemiologia da Faculdade de Medicina da USP. Em sua área, ele conta as vidas dizimadas pelo cigarro e dá subsídios para que o Dr João Paulo continue sua luta.
Apesar do nome parecido, não são parentes - talvez longinguos, mas não se conheciam antes de se cruzar no meio médico.
Sou Carlos Marcello, médico clínico do HU, ex-fumante de quase 2 maços por dia - parei há 26 anos.
Já assisti à palestra do Dr João Paulo e a considero excelente. Palestra motivacional deve servir para sensibilizar o maior número de pessoas possível e não a pessoas individualmente.
Da mesma forma como você se equivocou ao confundir o pediatra com o superintendente, creio que você se equivocou com suas conclusões sobre o excelente trabalho do Dr João Paulo que é pessoa séria e extremamente bem intencionada. Não merecia o seu comentário.
Atenciosamente
Carlos Marcello

Tita Dias disse...

Pois é, Beth. Se é que eu entendi, o que te levou a contar a tua experiência no tal programa foi a tua indignação com a utilização das fotos de Serra e Lula com os devidos comentários nada "apolíticos" do médico. O tal funcionário zeloso do HU falou tudo, menos sobre o centro da tua bronca. Que aliás, é muito pertinente. Afinal, não se trata de um comentário ao acaso, no meio de uma palestra cientificamente preparada. Não. O "texto" é preparado. Prova disso são as fotos selecionadas para atender a fala na medida exata. Vou espalhar o link do seu blog, pois serve de exemplo de postura cidadã. Cidadã, sim! Pois sei que você não é filiada ao PT e não está fazendo joguinho político com esta denúncia.

Elizabeth disse...

Exatamente Tita. E se a palestra é motivacional, estava pensando agora, porque o médico não colocou artistas como exemplo? Lembrei do Chico Anisio, grande propagandista antifumo, que tem grave enfisema pulmonar. E o grande Paulo Autran, fumando após infarto, e que dizia; "Fumo porque sou burro".
Não motivaria muito mais que fazer politicagem?

Henrique disse...

Elizabeth,
Esses antitabagistas da USP pelo jeito querem trocar um malefício por outro!
Fumar faz mal à saúde, é certo. Mas, apoiar dissimuladamente o Serra faz mal ao resto.
abraço
Henrique Marques Porto

Anônimo disse...

Saúde é meio, não é fim. De que adianta viver como um doente terminal para não ter doenças?
Lutar conta ditaduras também faz muito mal à saude. Muitas vezes é letal. Mas é muito melhor que ter dobradiças em lugar de vértebras
Cap Pepe

Dodó Macedo disse...

Prezada Beth,
A lei estadual antifumo está sub judice: há ADI pendente de deliberação no STF, e a Advocacia-Geral da União emitiu parecer sustentando que o Estado de São Paulo usurpou a competência da União relativamente ao assunto. No Estado do Piauí (suponho que em outros também) há na mídia algo como uma campanha calcada na lei estadual paulista: são divulgadas pesquisas locais sobre o tema (com ampla maioria a favor das restrições ao fumo, obviamente), tendo como arremate o anúncio de que o cerco vem aumentando graças à iniciativa do eminentíssimo governo de São Paulo.
Canalhice da grossa, que precisa ser denunciada.
Grande abraço.

Elizabeth disse...

Dodó, não sabia disso. No princípio fui favoravel à lei do Serra, porque pensei que faria muita gente deixar de fumar ou diminuir. Mas mudei de opinião: acho que isso vai contra o direito do cidadão de fazer o que bem entender na vida.

Cloaca News disse...

Dona Beth: aceite a solidariedade deste inveterado fumante. Vamos bolar alguma coisa a respeito desse caso.

Elizabeth disse...

Obrigada. Mas precisamos parar de fumar, seu Cloaca. Vou ver o que o meu médico, que não faz política com o tema, me diz...

Cloaca News disse...

Estou tentando, dona Beth, estou tentando. Já assisti a umas 5 palestras dessas. Mas, parar que é bom, ainda não consegui.

Elizabeth disse...

Ih, essas palestras são um saco,não adiantam nada. Filme de terror não faz ninguém parar de fumar.Eu o informarei sobre qualquer método eficaz que der certo comigo.

Anônimo disse...

Como o tal funcionário citado na palestra e na matéria (Paulo Cesar) devo concordar integralmente com Elizabeth Lorenzotti, jornalista séria e competente que conheço de longa data. Corrigindo a informação do "superintendente", pois fui eu que lhe passei essa informação equivocadamente. Esse programa realmente esbarra na propaganda e panfletagem partidária. Não parei de fumar por causa desse programa, porque acho a sistemática completamente equivocada, além de tudo o que já foi dito. De motivacional não tem nada. A preocupação dos profissionais não é com os fumantes, e sim com os não-fumantes, e aí mais uma vez o partidarismo e moralismo camuflados se apresentam. Só parei de fumar por causa dessa lei ridícula, desse candidato a presidente ridículo e do terrorismo ridículo a que nós fumantes vivemos expostos. Cansei disso, parei de fumar pelo mesmo motivo que me motivou a começar a fumar (PORQUE EU QUIS - por prazer, e nessas condiçoes não fumar em São Paulo virou "prazer"). Quando as pessoas voltarem a ter liberdade neste estado, volto a fazer o que sempre quis e o que sempre tive vontade de fazer e nunca me fez mal. Porque, agora sim, eu me sinto pessimamente mal e não acho que a minha vida ou minha saúde melhoraram por causa do não fumar. E agora que preciso, ninguém me oferece ajuda ou pergunta como estou, se estou precisando de algo ou sequer se estou bem. O que importa é que apenas sou mais um número positivo nas estatísticas dos médicos e psicólogos do programa. Para eles eu sou apenas um doente, bandido, criminoso, quiçá um traficante de drogas e assassino do pulmão alheio - que se "regenerou" ou se "converteu".
Mas porque os governos e programas anti-tabagistas nada fazem contra os verdadeiros traficantes (fabricantes e comercializadores) e contra os criminosos que se utilizam do dinheiro desse tráfico (o próprio governo e, dentro dele, o Sr. Serra, que jamais terá meu voto para nada!). E vivas à democracia!
Antes que me esqueça, tenho que reconhecer e tecer meus agradecimengtos à enfermeira Lazinha, do Programa, a única pessoa que me tratou como cidadão (e não como doente ou criminoso) e realmente tentou me ajudar no que lhe era possível. A ela, e somente a ela, meus agradecimentos. E à Elizabeth peço minhas sinceras desculpas por tê-la colocado nessa fria. Achei que pudesse ajudá-la mais do que ajudou a mim!

Paulo Cesar disse...

Beth, esqueci de dizer. Também fui multado por causa desse programa.
E, nesse sentido, também me solidarizo com você!

Elizabeth disse...

kkkkkkkkkkkk

mas que azar o nosso hein?

Tania Mendes disse...

Não posso desistir de querer parar de fumar, o tema anda sempre em minha cabeça. Depois de seu relato, que horror! Tive de fumar um cigarrinho prá acalmar minha mente lulista. Sem culpa. Mas que um dia eu paro, paro mesmo. Enquanto isso, prefiro ir diminuindo a frequência e aumentando meu imenso desprezo pelas picaretagens tucanas.

Zé da China disse...

Dráusio, Marcelo, Contardo, Tusta, legião dita-progressista em face da ditabranda lenta e gradual avançando contra a saudável proibição às proibições: Onde estais que não protestais?!

Viva o fumo, viva a bagana, viva el cigarrillo, el pitillo, el tabaco, o pito, a piteira, o narguilé, cigarrette, sigaretta, sian ien, a tragada, o tapinha, a puxada, a inalada, a gozada, a baforada na cara da hipocrisia oportunista e bajuladora.

Aos 69 ditamarlonbrandos da atarefada assembléia paulista: No pasarán!

É em casa, debaixo da marquise, no balcão dos botecos, debaixos dos caracóis, seja em Paris ou nos Brasis: Fumo neles!!!

Anônimo disse...

Elizabeth e Paulo,
na condição de vagabundo previdenciário, fumante convicto e aluno da terceira idade, concluo que as vossas contestações se animam no vilipêndio de nossas liberdades individuais e da forma com que estas arbitrariamente são formatadas como se tivessemos nascidos por decreto-lei. Qualificados como impuros numa sociedade decadente e comprometida; que dizer dos politicos corruptos que com suas falácias persuasivas submetem um povo a um mal-estar generalizado.
Sinto-me um excluido que agora se esconde para não contaminar.

Elizabeth disse...

Não se esconda, Anônimo. Nesta sociedade que faz tudo para excluir e arbitrariamente decidir por todos nós, temos de contrariar e lembrar que a Constituição preserva direitos, ao que me consta, ainda. Somos solidários, e falo pelo Paulo que pensa da mesma foram, abração.

Elizabeth disse...

E Zé da China, brilhante como sempre!kkkk

Paulo Cesar disse...

Oi Anônimo, Oi Beth, oi Tod@s,
Reconheci o "anônimo" nas primeiras palavras. Tudo bom contigo?
Não imaginei que você estivesse tão ou mais revoltado que eu!
Pois eu te confidencio que estou cansado de tudo isso, completamente farto. Queria muito virar um "vagabundo" como você e sumir desta cidade maldita, e, de quebra, voltar a fumar meu cigarrinho em paz!
Se bem que eu ainda acho que esse anti-tabagista ridículo vai ser eleito presidente pelo "povinho". Aí nem projetos mais de sumir eu poderei ter...
Obrigado por ter participado!
Abração,
Paulo

Elizabeth disse...

Paulo e Anônimo e tod@s.É bom saber que os amigos se reúnem e dão show de lucidez e cidadania.
E Paulinho, esse tipo NÃO vai ser eleito presidente, por todos os deuses, ninguém merece. Bjs